AVALIAÇÃO DO GRAU DE ADESÃO À TERAPIA DE ANSIOLÍTICO EM PACIENTES ATENDIDOS EM UMA FARMÁCIA MUNICIPAL NO ESTADO DO CEARÁ

Francisca Andreza Fernandes de Souza, Joeldo Ferreira Duarte, José Márcio Andrade, Pedro Ivo Palacio Leite, Poliana Moreira de Medeiros Carvalho

Resumo


Os medicamentos psicotrópicos vêm sendo utilizados de forma indiscriminada em estabelecimentos de saúde, podendo ocasionar alterações de comportamento, dependência física e psíquica dos usuários. Alguns programas de saúde e centros de assistências farmacêuticas estabeleceram uma atenção maior ao uso racional de benzodiazepínicos. Adesão ao tratamento é essencial para que os efeitos esperados sejam de forma positiva com sua farmacoterapia. Avaliar o grau de adesão à terapia de ansiolítico na atenção secundária de uma farmácia municipal do Estado do Ceará, no período de agosto de 2016. É um estudo de característica descritiva, transversal, onde sua abordagem foi do tipo quantitativo e qualitativo, na qual foram coletadas informações a partir de questionários socioeconômicos e farmacoepidemiologicos aplicados em 50 pacientes individualmente, em um consultório farmacêutico. Os participantes tinham entre 18 e 65 anos de idade sendo que 34% eram maiores que 59 anos, 70% do sexo feminino, 30% masculino, 62% possuía o ensino fundamental incompleto. Quanto ao estado civil, 38% eram casados. Quanto ao esforço para seguir com o tratamento, 56% responderam que se esforçam bastante. De acordo com os somatórios das respostas dos questionários 96% dos participantes do estudo apresentaram uma adesão da terapia de ansiolítica satisfatória. Embora os resultados tenham sido satisfatórios, a equipe deve sempre estar atenta aos sinais de não adesão a terapia farmacológica, para minimizar os riscos no tratamento, diminuindo os índices epidemiológicos e com isso evitar possíveis problemas de saúde pública no Brasil.

Palavras-chave


Ansiolíticos. Adesão à Medicação. Atenção Secundária à Saúde

Texto completo:

Inglês Português

Referências


Cogo K,Bergamaschi CC, Yatsuda R, Volpato CM, Andrade DE. Sedação consciente com benzodiazepínicos em odontologia. Revi de Odon da Univ Cid de São Pau. 2006; 18(2):181-8.

Katzung BG, Masters BS, Anthony JT.Farmacologia básica e clínica.In: Antony J, T,revor PHD, Walter L,Way MD.Farmácos Sedativos Hipinóticos.12. ed,. Porto Alegre.2014 p.382.

Rang HP, Dale MM, Ritter JM. Farmacologia. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2001.

Forsan AM. O uso indiscriminado de benzodiazepínicos: uma análise crítica das práticas de prescrição, dispensação e uso prolongado [Monografia]. Campos Gerais/MG. UFMG-Universidade Federal de Minas Gerais; 2010.

Subsecretaria de Ações e Serviços de Sáude (SASS). O ano da promoção do Uso Racional de Benzodiazepínicos. Uso Racional de Psicofármacos. Rio de Janeiro: Sistema Municipal de Sáude; 2006.

Caderno A. Organização Mundial De Saúde.2016. Disponível em: http://www.progresso.com.br/caderno-a/ciencia-saude/oms. |Acesso: 13/Maio/2016|.

Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (ABRATA). Transtorno de ansiedade. São Paulo. Publicado em 2013, disponível. http://www.abrata.org.br/.

Obreli NRP, Guidoni MC, Baldoni OA, Pilger D, Souza CMJ, Franco GPW, Cuman NKR. Effect of a 36-month pharmaceutical care program on pharmacotherapy adherence in elderly diabetic and hypertensive patients. Int J Clin Pharm. 2011; 33(4): 642- 649.

Sabate E. Adherence to long-term therapies: evidence for action. World Health Organization, 2003.

Dimatteo MR. Evidence-based strategies to foster adherence and improve patient outcomes: the author's recent meta-analysis indicates that patients do not follow treatment recommendations unless they know what to do, are committed to doing it, and have the resources to be able to adhere. Jour of the AmerAcad of Phys Assistants. 2004; 17(11): 18–21.

Lorscheider JA, Geronimo K, Colacite J. Estudo da adesão à terapia antirretroviral para HIV/AIDS de pacientes atendidos no município de Toledo/PR. Act Biom Brasiliensia. 2012;3(1):41-51.

Pereira LRL, Freitas O. A evolução da Atenção Farmacêutica e a perspectiva para o Brasil. Rev Bras de Ciên Farmacêuticas. 2008; 44(4).

Valera RM, Blanco SA, Belfo MJ, Fernandez A, Campayo GJ, Pujol MM, et al. Effectiveness of pharmacist care in the improvement of adherence to antidepressants: a systematic review and meta-analysis. Annals of pharmacotherapy. 2011; 45(1): 39-48.

Cavalari M, Pereira E, Azzalis L, Simon K, Junqueira V, Alves B, et al. Avaliação do perfil do idoso dependente de ajuda quanto ao uso de medicamentos no município de Diadema, SP. Rev da Fac de CiênMéd de Sorocaba. 2016; 18(2): 110-116. DOI: 10.5327/Z1984-4840201624569

Assistência Farmacêutica No SUS / Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS). Brasília. 2007.

Colombrini CRM, Lopes MBHM, Figueiredo MR. Adesão à terapia antiretroviral para HIV/AIDS. Rev da Esc de Enferm da USP. 2006; 40(4): 576-81.

Ben AJ, Neumann CR, Mengue SS.Teste de Morisky-Green e Brief Medication Questionnaire para avaliar adesão a medicamentos. Rev Saú Pública. 2012; 46(2):279-89.

Remor E, Milner MJ, Preussler G. Adaptação brasileira do "Cuestionario para la Evaluación de la Adhesión al Tratamiento Antiretroviral". Rev Saú Pública São. 2007; 41(5): 685-694.DOI:org/10.1590/S0034-89102006005000043.

LoyolaFAI, Uchoa E, Costa LFM. Estudo epidemiológico de base populacional sobre uso de medicamentos entre idosos na região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad de Saú Pública. 2006; 22(12): 2657-2667.DOI: org/10.1590/S0102-311X2006001200015.

Hildebrandt LM, Leite LM, PiovesanSMS, Stumm LK.Prevalência no consume de psicotrópicos pela população assistida por um serviço municipal se saúde, 2009. Disponível em:

Sousa MMN, Pinto BN, Almeida BF, Maciel SN, Cabral OAAS, et al. Perfil de usuários de psicofármacos atendidos em uma farmácia comunitária do alto sertão paraibana. RevBras de Edu e Saúde. 2016; 6(1): 01-07.DOI:http://dx.doi.org/10.18378/rebes.v6i1.3931.

Firmino FK, Abreu GNHM, Perini E, Magalhães SMS. Fatores associados ao uso de benzodiazepínicos no serviço municipal de saúde da cidade de Coronel Fabriciano, Minas Gerais, Brasil. Cad SaúPública. 2011; 27(6): 1223-1232.

Simon GE, Vonkorff M, Barlow W, Pabiniak C, Wagner E. Predictors of chronic benzodiazepine use in a health maintenance organization sample. Jour of Clin Epidemiology. 1996; 49(9): 1067-1073.DOI: doi.org/10.1016/0895-4356(96)00139rebes.v6i1.3931-4.

Charney DS,Mihic SJ, Harris RA.Hipnóticos e Sedativos. In: GILMAN, A. G.(editor consultor). As Bases Farmacológicas da Terapêutica. 10 ed. Rio de Janeiro: Mc Graw Hill, 2005 p. 301-324.

Tamblyn RN. Medication on use in seniors: challenges and solutions. Thérapie. 1996; 51(3): 269-282.




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v6i1.337

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal