BANCO DE LEITE HUMANO: FACILIDADES E DIFICULDADES PARA MANUTENÇÃO DO ESTOQUE

Jamylle Correia dos Santos, Amanda Amaral Pires Sobreira, Débora Ayeska de Oliveira Santos, Lidiana Evangelista Lima, Willma José de Santana, Amanda de Andrade Marques

Resumo


As redes de Banco de Leite Humano foram criadas para garantir a qualidade do leite humano destinado às crianças recém-nascidas, prematuras ou de baixo peso, para o incentivo ao aleitamento materno, orientações e apoio às puérperas e lactantes com dificuldade na prática da amamentação. O presente estudo objetivou identificar as facilidades e dificuldades para a manutenção do estoque de leite do banco de leite humano. Trata-se de um estudo descritivo de abordagem qualitativa desenvolvido no município de Juazeiro do Norte-CE, no Banco de Leite Humano do Hospital e Maternidade São Lucas, os sujeitos do estudo foram 10 doadoras de leite e 5 profissionais de saúde. Os instrumentos de coleta utilizados foram dois questionários semiestruturados, sendo um utilizado para as doadoras e outro para os profissionais de saúde. Para análise dos dados, utilizou-se a técnica de análise de conteúdo de Bardin, que consiste na transcrição das falas dos sujeitos do estudo para posterior análise e discussão. O estudo mostrou que os principais aspectos favoráveis à doação foram os sentimentos de solidariedade com o próximo e o apoio familiar. Simultaneamente possibilitou identificar como fatores limitantes para o estoque, a deficiência no serviço prestado durante o pré-natal, no que refere ao repasse de informações sobre os bancos de leite e a doação. Diante disto, com base na prerrogativa de um estoque de leite humano que atenda a demanda, desperta-se a atenção para a realização de mais campanhas na mídia de forma constante associada a um maior incentivo dos profissionais de saúde às mulheres doadoras.

Palavras-chave


Doação. Banco de Leite Humano. Profissionais de saúde. Aleitamento materno. Recém-nascido prematuro.

Texto completo:

Inglês Português

Referências


NEVES, L. S.; MATTAR, M. J. G. Doação de leite humano: dificuldades e fatores limitantes. O Mundo da Saúde, São Paulo: 2011a;35(2):156-161.

HINRICHSEN, S. L. Biossegurança e controle de infecções: risco sanitário hospitalar. Rio de Janeiro: Medsi, 2004. p. 153-157.

BRITTO, M. G. M.; BARBOSA, L. L.; HAMANN, E. M. Avaliação sanitária dos bancos de leite humano na rede hospitalar do Distrito Federal. Rev. Saúde do Distrito Federal, Brasília, DF, v.13, n. 3/4, p. 17-28, jul./dez. 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política nacional de promoção da saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2006a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. II pesquisa de prevalência de aleitamento materno nas capitais brasileiras e no Distrito Federal. Brasília, DF, 2009. Disponível em: ,acesso em set/2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Banco de leite humano: funcionamento, prevenção e controle de riscos/Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Ministério da Saúde. – Brasília, DF: Anvisa, 2007. 156p.

ALENCAR, L.C.E.; SEIDL, E.M.F. Doação de leite humano: experiência de mulheres doadoras. Rev saude publica. 2009; 43(1):70-7. DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v12i3.18192.

WESCHENFELDER, S.; PEIXOTO, H.M.; MARTINS, R.G.G.; Levantamento dos aspectos sócio-demográficos e motivacionais em doadoras de leite humano. Rev enferm UFPE.[on- line]. 2012; 6(2):267-73. DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v12i3.18192.

BRASIL. A rede brasileira de bancos de leite humano - Dados Estatísticos, FIOCRUZ, março/2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

LOPES, M. J. M.; LEAL, S. M. C. A feminização persistente na qualificação profissional da enfermagem brasileira. Cadernos Pagu (24), janeiro-junho de 2005, pp.105-125.

COSTA, C. E.; GOTLIEB, S.L.D. Estudo epidemiológico do peso ao nascer a partir da declaração de nascidos vivos. Rev. Saúde Pública 32(4):328-334, 1998. ISSN 1415-2177.

VIEIRA, M.; SILVA, J. P.; BARROS FILHO, A. A amamentação e a alimentação complementar de filhos de mães adolescentes são diferentes das de filhos de mães adultas? Journal de Pediatria, v. 79, n. 4, p. 317-323, 2003. DOI: 10.4025/actascihealthsci.v31i1.891.

SUZIN, L.; GIUGLIANI, E. R. J.; KUMMER, S.; MACIEL, M.; BENJAMIN, A. C. W.; MACHADO, D. B.; BARCARO, M.; DRAGHETTI, V. Uma estratégia simples que aumenta os conhecimentos das mães em aleitamento materno e melhora as taxas de amamentação. Journal de Pediatria, v. 74, n. 5, p. 368-375, 1998. DOI: 10.4025/actascihealthsci.v31i1.891.

FROTA, D. A. L.; MARCOPITO, L. F. Amamentação entre mães adolescentes e não adolescentes, Montes Claros, MG. Revista de Saúde Pública, v. 38, n. 1, p. 85-92, fevereiro, 2004. DOI: 10.4025/actascihealthsci.v31i1.891.

ESCOBAR, A. M. U.; OGAWA, A. R.; HIRATSUKA, M.; KAWASHITA, M. Y.; TERUYA, P. Y.; GRISI, S.; TOMIKAWA S. O. Aleitamento materno e condições socioeconomico-culturais: fatores que levam ao desmame precoce. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 2, n. 3, p. 253-261, 2002. DOI: 10.4025/actascihealthsci.v31i1.891.

SILVA, P.L.N.; JORGE, J.C.T.; FONSECA, J. R.; PEREIRA, A. C.A.; OLIVEIRA, V.G.R.; Perfil das mães doadoras de um banco de leite humano. Revista enfermagem UFPE [Internet] 2013; 7(7):4635-4640. DOI: 10.12957/demetra.2015.16464.

FERNÁNDEZ, M. A. (1997). Altruism and Payment in Blood Donation. Transfusion, 18 (3), 379-386.

ROBINSON, E. A.; CUNNINGHAM, S.; NICKOLDS, S. & MURRAY, A. (1999). Altruism: is it alive and well? Transfusion Medicine, 9, 351-382.

RAPPORT, F. L. & MAGGS, C. J. (2002). Titmus and the gift relationship: altruism revisited. Journal of Advanced Nursing, 40(5), 495-503.

JASPER, J.D.; NICKERSON, C.A.E.; UBEL, P.A. & ASCH, D. A. (2004). Altruism, incentives, and organ donation: atitudes of the transplant community. Medical Care, 42(4).

LUDWIG, S. T. & RODRIGUES, A.C.M. (2005). Doação de sangue: uma visão de marketing. Cadernos de Saúde Pública, 21(3), 932-939.

LOURENÇO, D.; BARDINI, G.; CUNHA, L. Perfil das doadoras do Banco de Leite Humano do Hospital Nossa Senhora da Conceição, Tubarão/ SC. Revista Arquivos Catarinenses de Medicina, Santa Catarina, v. 41, n. 1, p. 22 – 27. 2012.

THOMAZ, A.C.P.; LOUREIRO, L.V.M.; OLIVEIRA, T.S.; MONTENEGRO, N.C.M.F.; JÚNIOR, E.D.A.; SORIANO, C.F.R.; CAVALCANTE, J.C. The Human Milk Donation Experience: Motives, Influencing Factors, and Regular Donation.J HumLact 2008; 24(1): 69-76.

KULAKAC, O. The opinions of employed mothers about teir own nutrition during lactation: a questionnaire survey. International Jornal of Nursing Studies. 2006; 44(44): 589-600.

______. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 171, de 4 de setembro de 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o Funcionamento de Bancos de Leite humano. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 set. 2006a.

COLL, C. V. N.; AMORIM, T. C.; HALLAL, P. C. Percepção de adolescentes e adultos referente á influencia da mídia sobre o estilode vida. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 15, n. 2, 2010.

MESQUITA, N. C. Mídia e Democracia no Brasil. 2008.236f. Tese (Doutor em Ciência Politíca) – Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, São Paulo: USP, 2008.

AKIRA, F.; MARQUES, A.C. O papel da mídia nos serviços de saúde. Rev. Assoc Med Bras 2009; 55(3): 246




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v6i1.353

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

  • LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico): é uma plataforma para agregação de conteúdo científico e acadêmico em formato eletrônico produzido no contexto ibero-americano, relacionado a ele em um sentido cultural e social mais amplo e geograficamente não restritivo.
  • GOOGLE SCHOLAR: é uma ferramenta de pesquisa do Google que permite pesquisar em trabalhos acadêmicos, literatura escolar, jornais de universidades e artigos variados.