AVALIAÇÃO DOS TEORES DE PROTEÍNA EM FÓRMULAS INFANTIS DE SEGUIMENTO

Talita Leite Beserra, Francisca Gracielly Reinaldo Galvão, Vanessa Figueiredo Cruz Braga, Helder Cardoso Tavares, José Ramon Alcântara da Silva, Tatiane Leite Beserra, Francyane Pessoa dos Santos, Edna Mori

Resumo


A alimentação complementar é aquela oferecida à criança a partir do sexto mês até os dois anos de idade, sendo fundamental para o crescimento da criança. Tem se observado um crescente uso de alimentos complementares industrializados, porém existe a possibilidade da inadequação destes alimentos com as necessidades das crianças ou com a legislação (RDC nº 44, de 19 de setembro de 2011). Este estudo objetivou avaliar os teores de proteína de fórmulas infantis de seguimento para lactentes e crianças de primeira infância, comercializadas em supermercados e farmácias do município de Juazeiro do Norte-CE. Trata-se de um estudo exploratório experimental, de abordagem quantitativa e qualitativa, utilizando como amostras, fórmulas infantis contendo designação na rotulagem “à partir do 6° mês”, de duas marcas distintas, totalizando sete amostras diferentes (4 da marca A e 3 da B). A determinação de proteína seguiu os protocolos descritos no manual da Association of Official Analytical Chemists para o método de Nessler. Os dados foram avaliados segundo o desvio-padrão simples, com significância de até 5%. Todas as amostras apresentam valores rotulados em conformidade com a legislação (RDC nº 44) para quantidade de proteína por 100 kcal, já em relação aos valores determinados experimentalmente, verificou-se que uma das amostras obteve valores acima do estabelecido. Das demais amostras analisadas, somente duas apresentaram valores similares dos rotulados, enquanto as outras forneceram valores inferiores. Sendo assim, embora as informações de rotulagem estejam em conformidade com a legislação, nem todos os teores encontrados estavam de acordo com o rotulado.

Palavras-chave


Fórmulas infantis; Alimentação complementar; Necessidades nutricionais; Proteína.

Texto completo:

Inglês Português

Referências


Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Dez passos para uma alimentação saudável: guia alimentar para crianças menores de dois anos: um guia para o profissional da saúde na atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Who/Unicef (EUA). Complementary feeding of young children in developing countries: a review of current scientific knowledge. Geneva: World Health Organization, WHO/NUT/98.1; 1998.

Labbok MH. Aleitamento materno e a iniciativa hospital amigo da criança: mais importante e com mais evidências do que nunca. J. Pediatr. 2007 Abr;83(2):99-101. doi: dx.doi.org/10.1590/S0021-75572007000200002.

Ministério da Saúde (BR). Regulamento técnico para fórmulas infantis de seguimento para lactentes e crianças de primeira infância. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 44, de 19 de setembro de 2011. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Gallagher ML. Os Nutrientes e Seu Metabolismo. Krause: alimentos, nutrição e dietoterapia. 12.ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011.

Association of Official Analytical Chemists (EUA). Oficial methods of analysis. Edited by Kenneth Helrich. 15.ed. Arlington, Virginia, USA. 1990.

Ziegler AG, Schmid S, Huber D, Hummel M, Bonifacio E. Early infant feeding and risk of developing type 1 Diabetes-associated autoantibodies. JAMA. 2003 Out 1;290(13):1721-8.

Almeida EB. Relação entre o tempo de aleitamento materno exclusivo e o IMC aos 6, 7, 8 e 9 anos de idade. [Dissertação]. Lisboa: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa; 2012.

Herin P, Aperia A. Neonatal kidney, fluids, and electrolytes. Curr Opin Pediatr. 1994 Apr;6(2):154-7.




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v6i1.392

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal