A IMPORTÂNCIA DAS BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO DOS ALIMENTOS EM RESTAURANTES: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

Sara Júlia Eliodório Jorge de Carvalho, Edna Mori

Resumo


A quantidade de pessoas que consomem alimentos fora de casa cresce cada vez mais, resultado das mudanças socioeconômicas ocorridas nos últimos anos. Garantir a segurança dos alimentos tem sido discutido tanto pelos comensais como por profissionais capacitados e estudos sobre as condições higiênicas e práticas de manipulação e preparo de alimentos são favoráveis. O objetivo principal foi verificar a situação atual dos restaurantes em relação às Boas Práticas de Manipulação. Trata-se de uma revisão integrativa de literatura realizada na base de dados LILACS e SCIELO, utilizando como descritores boas práticas de manipulação; higiene; restaurante. Foram inclusos artigos publicados em periódicos no período de 2012 a 2016, artigos completos captados gratuitamente; textos disponíveis no idioma Português, Espanhol e Inglês, e excluídos dissertações, teses, monografias bem como artigos científicos repetidos. A busca resultou em 102 artigos, e após os critérios de exclusão restaram 11 artigos. De modo geral os restaurantes nos últimos cinco anos estão realizando boas práticas de manipulação, prevenindo o público de doenças causadas por alimentos contaminados, porém ainda precisam melhorar o aspecto higiênico. Vale ressaltar que esses métodos de higiene quando são supervisionados por técnicos como nutricionistas, são executados corretamente. Foram encontrados nas revisões de literatura alguns tipos de bactérias como Citrobacter spp, Klebsiella spp, Enterobacter spp e Pseudomonas spp que acometeram as preparações nos restaurantes analisados. Dessa forma, é importante que os restaurantes possam garantir higiene sanitária adequada, preservando a saúde dos clientes uma vez que isso pode proporcionar também benefícios, como o reconhecimento qualificado do ambiente.


Palavras-chave


Segurança alimentar. Higiene. Serviços de alimentação

Texto completo:

PDF

Referências


ABERC. Associação Brasileira das Empresas de Refeições Coletivas. Mercado real. Estimativa 2014.

ALMEIDA, G. L.; COSTA, S. R. R.; GASPAR, A. A gestão da segurança dos alimentos em empresa de serviço de alimentação e os pontos críticos de controle dos seus processos. B.CEPPA. Curitiba, v. 30, n. 1, p. 135-146, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Guia de Instruções das Ferramentas para as Boas Práticas na Alimentação Escolar. Acesso em: set/ 2017. Disponível em: http:// www.ufrgs.br/cecane/downloads/.

BRASIL. Resolução RDC nº12, de 02 de janeiro de 2001. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), DOU, 2001.

CALIL, E. M. B; FERREIRA, F. L. A; BRAZÃO, C. S; SOVENHI, C. C. Qualidade microbiológica de saladas oferecidas em restaurantes tipo self-service. Atlas de saúde ambiental. São Paulo, v.1, n.1, p.36-42, 2013.

GARCIA, L. P; SANT’ANNA, A. C; MAGALHÃES, L. C. G. D; AUREA, A. P. Gastos com saúde das famílias brasileiras residentes em regiões metropolitanas: composição e evolução no período 1995-2009. Ciênc. Saúde Coletiva. Manguinhos, v. 18, p. 115-28, 2013.

GONÇALVES, R. M.; SILVA, S. R. P.; STOBBE, N. S. Frequência de parasitos em alfaces (lactuca sativa) consumidas em restaurantes self-service de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Rev. Patol. Trop. Porto Alegre, v. 42, n. 3, p. 323-330, 2013.

JOELE, M. R. S. P.; SOUSA, C. L.; LOURENÇO, L. F. H. Serviços de alimentação comercial: fator de risco para a saúde pública? Rev. Inst. Adolfo Lutz. São Paulo, v. 73, n. 1, p. 113-18, 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA -IBGE. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: despesas, rendimento e condições de vida. Rio de Janeiro: IBGE; 2010. [acesso 2017 junho]. Disponível em: [http://www.ibge.gov.br/home/ estatistica/populacao/condicaodevida/pof/2008_2009/ POFpublicacao.pdf].

LOPES, J. E.; SOUSA, M.; CHAUD, D. A.; CAMARGO, M. C. R.; ABREU, E S. Avaliação das condições higiênico-sanitárias em uma unidade de alimentação e nutrição hoteleira. Higiene Alimentar, São Paulo, v. 30, n. 256/257, 2016.

LOPES, A. C. C.; PINTO, H. R. F.; COSTA, D. C. I. O.; MASCARENHAS, R. J.; AQUINO, J. S. Avaliação das Boas Práticas em unidades de alimentação e nutrição de escolas públicas do município de Bayeux, PB, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 7, p. 2267-2275, 2015.

MELLO, A. G.; BACK, F. S.; COLARES, L. G. T. Condições higiênico-sanitárias de restaurantes self-services localizados no estado do Rio de Janeiro. Hig. Alim. Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 64-9, 2011.

MEDEIROS, L; DALL’AGNOLII, L. P; BOTTON, A. S; SMANIOTTO, H; POTTER, R; CAMPOS, M. M. A. Qualidade higiênico-sanitária dos restaurantes cadastrados na Vigilância Sanitária de Santa Maria, RS, Brasil, no período de 2006 a 2010. Ciênc. Rural. Santa Maria, v. 43, n. 1, p. 81-6, 2013.

MEZZARI, M. F.; RIBEIRO, A. B. Avaliação das condições higiênico-sanitárias da cozinha de uma escola municipal de Campo Mourão – Paraná. SaBios Rev. Saúde Biol. Campo Mourão, v. 7, n. 3, p. 60-6, 2012.

OLIVEIRA, A. B. A.; CUNHA, D. T.; STEDEFELDT, E.; CAPALONGA, R.; TONDO, E. C.; CARDOSO, M. R. I. Hygiene and good practices in school meal services: Organic matter on surfaces, microorganisms and health risks. Food Control. Oxford, Reino Unido. v. 40, p. 120-126, 2014.

SILVA, L. C.; SANTOS, D. B.; SÃO JOSÉ, J. F. B.; SILVA, E. M. M.; Boas práticas na manipulação de alimentos em Unidades de Alimentação e Nutrição. Demetra; Rio de Janeiro, v. 10, n. 4, p. 797-820, 2015.

SILVEIRA, D. M.; GRANADA, G. G.; MONKS, M. S.; Classificação dos restaurantes de Pelotas-Rs, cadastrados no projeto-piloto de categorização de serviços de alimentação da anvisa. Higiene Alimentar. São Paulo, v. 30, n. 256-257, 2016.

STEDEFELDT. E.; CUNHA, D. T.; SILVA JUNIOR, E. A.; SILVA, S. M.; OLIVEIRA, A. B. A. Instrumento de avaliação das Boas Práticas em Unidades de Alimentação e Nutrição Escolar: da concepção à validação. Ciências e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 4, p. 947-953, 2013.

STRACCIALANO, F. F. L.; PAULINO, N. T. R.; BRAGA, A. V. U. et al. Qualidade microbiológica de saladas in natura servidas em restaurantes e fast-foods na cidade de Campinas e região. Higiene Alimentar, São Paulo, v. 30, n. 256/257, 2016.

TAKAHASHI, C. C.; AMARAL, P. E.; SANTOS, L. C. L.; CONTIM, J. D.; Pinto, U. M.; Neves C. V. B.; FIGUEIREDO, S. M. Avaliação do treinamento de manipuladores de alimentos de restaurantes comerciais pelo ensaio ATP-bioluminescência. Rev. Inst. Adolfo Lutz. São Paulo, v. 72, n. 4, p. 302-8, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v5i2.269

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

  • LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico): é uma plataforma para agregação de conteúdo científico e acadêmico em formato eletrônico produzido no contexto ibero-americano, relacionado a ele em um sentido cultural e social mais amplo e geograficamente não restritivo.
  • GOOGLE SCHOLAR: é uma ferramenta de pesquisa do Google que permite pesquisar em trabalhos acadêmicos, literatura escolar, jornais de universidades e artigos variados.