ALIMENTOS COM E SEM GLÚTEN COMERCIALIZADOS EM SUPERMERCADOS VAREJISTAS DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE-CE E AS IMPLICAÇÔES PARA OS CELÍACOS

Cicero Jonas Rodrigues Benjamim, Guilherme Correia Alcantara, José Ramon Alcântara da Silva, Cicero Jordan Rodrigues Sobreira da Silva, Elida Mara Braga Rocha, Edna Mori

Resumo


Em virtude de suas propriedades, a farinha de trigo tornou-se muito comum na culinária doméstica e industrial, bem como componente básico da alimentação brasileira pela influência positiva nas características sensoriais dos alimentos. Por esse fato, a alimentação saudável e adequada do celíaco tem sido limitada, já que obedecer a uma dieta livre dos derivados do trigo não é uma prática fácil devido a baixa variabilidade. O objetivo da pesquisa foi verificar a quantidade de alimentos nomeados com e sem glúten disponíveis em grandes supermercados varejistas da cidade de Juazeiro do Norte – CE. A pesquisa foi realizada em três grandes supermercados varejistas da cidade de Juazeiro do Norte, Ceará. Assim, foi feita a análise minuciosa do rótulo dos alimentos em busca das inscrições “contém Glúten” ou “não contém Glúten”. Foram analisados 2876 produtos no total, do quais 34,2% não continham o glúten em sua composição, sendo a média dos alimentos verificados. A variação percentual entre os supermercados no que se refere à quantidade de alimentos que não contém glúten no rótulo, que variou de 32,2% à 39,2%, representando os valores mínimo e máximo. Já o número total de alimentos com glúten encontrado foi de 1893 itens. De acordo com achados, os alimentos isentos de glúten eram equivalentes a cerca da metade dos alimentos que continham glúten. Relativamente um número alto, porém, muito isolado a poucas classes alimentares resultando em uma baixa variabilidade e monotonia alimentar o que favorece para a transgressão a dieta isenta de glúten.

Palavras-chave


Doença celíaca. Dieta Livre de Glúten. Segurança Alimentar e Nutricional.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDREOLI, C. S; CORTEZ, A. P. B; SDEPANIAN, V. L; MORAIS, M. B. Avaliação nutricional e consumo alimentar de pacientes com doença celíaca com e sem transgressão alimentar. Revista de Nutrição, Campinas, v. 3, n. 26, p. 301-311, 2013.

ARAÚJO, H. M. C; ARAÚJO, W. M. C; BOTELHA, R. B. A; ZANDONADI, R. P. Doença celíaca, hábitos e práticas alimentares e qualidade de vida. Revista de Nutrição, Campinas, v. 23, n. 3, p. 467-474, 2010.

BOÉ, C; LOZINSKY, A. C; PATRÍCIO, F. R; ANDRADE, J. A. B; FAGUNDES-NETO, U. Doença celíaca e constipação: uma manifestação clínica atípica e pouco frequente. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 283-287, 2012.

BRASIL. Lei nº 10674, de 16 de maio de 2003. Obriga a que os produtos alimentícios comercializados informem sobre a presença de glúten, como medida preventiva e de controle da doença celíaca. Diário Oficial da União, Brasília, 19 mai. 2003.

BUTTERWORTH, J. R; BANFIELD, L. M; IGBAL, T. H; COOPER, B. T. Factors relating to compliance with a gluten-free diet in patients with celiac disease: comparison of white Caucasian and South Asian patients. Clinical Nutrition, Philadelphia, v. 23, n. 5, p. 1127-1134, 2004.

CAPELASSI, A. N; BITTENCOURT, P. R. S; RODRIGUES, A. C; TORQUATO, A. S. Disponibilidade de alimentos isentos de glúten em supermercado de Maringá-PR. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research, Maringá, v. 3, n. 1, p. 05-10, 2013.

COURI, M. H. S; GIADA, M. L. R. Pão sem glúten adicionado de farinha do mesocarpo de babaçu (Orbignya phalerata): avaliação física, química e sensorial. Rev. Ceres, Viçosa, v. 63, n. 3, p. 297-304, 2016.

LAMONTAGNE, P; WEST, G. E; GALIBOIS, I. Quebecers with celiac disease: analysis of dietary problems. Canadian Journal of Dietetic Practice and Research, Ontario, v. 62, n. 4, p. 175-181, 2001.

MARIANI, M; OLIVEIRA, V. R; FACCIN, R; RIOS, A. O; VENZKE, J. G. Elaboração e avaliação de biscoitos sem glúten a partir de farelo de arroz e farinhas de arroz e de soja. Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, v. 18, n. 1, p. 70-78, 2015

PAIVA, M. J. S; SILVA, N. J; VIVIANE, G. L; ALMEIDA, D. P; PEREIRA, L. S. Avaliação da disponibilidade dos principais grupos básicos de alimentos industrializados para celíacos nos principais supermercados de Viçosa, MG. In: Anais VI SIMPAC, 2014, p. 143-148.

PAULA, F. A; CRUCINSKY, J; BENATI, R. Fragilidades da atenção à saúde de pessoas celíacas no Sistema Único de Saúde (SUS): a perspectiva do usuário. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 311-328, 2014.

ROCHA, S; GANDOLFI, L; SANTOS, J. E. Os impactos psicossociais gerados pelo diagnóstico e tratamento da doença celíaca. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 50, n. 1, p. 65-70, 2016.

SAUERESSIG, A. L. C; KAMINSKI, T. A; ESCOBAR, T. D. Inclusão de fibra alimentar em pães isentos de glúten. Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, v. 19, p. 1-8, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v5i1.281

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

  • LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico): é uma plataforma para agregação de conteúdo científico e acadêmico em formato eletrônico produzido no contexto ibero-americano, relacionado a ele em um sentido cultural e social mais amplo e geograficamente não restritivo.
  • GOOGLE SCHOLAR: é uma ferramenta de pesquisa do Google que permite pesquisar em trabalhos acadêmicos, literatura escolar, jornais de universidades e artigos variados.