ESTADO EMOCIONAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE UNIVERSITÁRIAS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO PARTICULAR

Thaís da Conceição Pereira, Mariana Machado Bueno, Francisca Gecilvânia Alves dos Santos, Amanda Soares Moreira, Jacolina Leite dos Santos, Ana Mykaele Dantas Patrício

Resumo


O comportamento alimentar determina o equilíbrio do organismo, que é assegurado por um conjunto de mecanismos de regulação energética e nutricional. Cada indivíduo, é influenciado por fatores que determinam o tipo e quantidade a consumir. Desta forma, o consumo alimentar sofre influência dos fatores: fisiológicos (fome e saciedade), psicológicos (estado emocional) cognitivos e comportamentais. Objetivou-se avaliar o estado emocional e comportamento alimentar de universitários de uma instituição de ensino particular. Trata-se de uma pesquisa quantitativa, descritiva e transversal realizada com discentes (do sexo feminino) de duas turmas de cursos distintos (Nutrição e Farmácia) de uma instituição de Ensino Superior. O instrumento utilizado foi um questionário com questões relacionadas ao perfil nutricional e a relação das emoções com as escolhas alimentares. Para a organização e apresentação dos dados foi utilizado o programa Microsoft Excel 2010. Verificou que as acadêmicas dos cursos de nutrição e farmácia em sua maioria apresentaram normalidade na sua massa corporal 85% e 79% respectivamente. Constatou-se que as universitárias perante às emoções (estresse, ansiedade, tristeza e felicidade) consomem mais doces em relação aos outros alimentos e que as discentes do curso de farmácia apresentaram escolhas alimentares mais inadequadas. Sugere-se que novos estudos sejam realizados para avaliar os nutrientes e sua relação com o bem-estar emocional de cada população, bem como, pesquisas sobre o consumo alimentar durante o período menstrual, visto que é um período onde ocorre oscilações de hormônios e humor, podendo contribuir para escolhas alimentares diferentes da convencional.


Palavras-chave


Hábitos Alimentares; Sentimentos; Universitários

Texto completo:

Português Inglês

Referências


Sousa NFPD. O impacto da exposição ao afeto negativo no comportamento alimentar: quantidade ingerida e escolha alimentar. Tese [Doutorado]; 2012.

Cunha LN. Anorexia, Bulimia e Compulsão alimentar: O comportamento alimentar. São Paulo: Atheneu; 2008. p. 1-4.

Fortes LDS, Filgueiras JF, Oliveira FDC, Almeida SS, Ferreira MEC. Modelo etiológico dos comportamentos de risco para os transtornos alimentares em adolescentes brasileiros do sexo feminino. Cad. de Saúde Pública. 2016; 32(4). https://doi.org/10.1590/0102-311X00024115

Balaias D. Quando as emoções comandam a fome. Rev. Portuguesa de Psicologia. 2009; 7:10-16.

Tortora GJ, Derrickson B. Corpo humano: fundamentos de anatomia e fisiologia. 8ª edição. Porto Alegre: Artmed; 2012. p. 509.

Matos CH, Kreff AP, Nagano T. Diagnóstico do estado nutricional de universitárias por diferentes métodos de avaliação. Rev. da UNIFEBE. 2012; 1(10): 75-83.

Smith MBNC, Menandro, PRM. Aspectos contextuais e pessoais influenciadores do consumo de chocolate. Rev. Psicologia em Pesquisa. 2016; 9(1): 20-30. DOI: 10.5327/Z1982-1247201500010004

Aun FV, Pinheiro MN. Alimentação e síndrome de tensão pré-menstrual. VII Jornada de Iniciação Científica. 2011; 1-13.

Rodrigues IC, Oliveira E. Prevalência e convivência de mulheres com síndrome prémenstrual, Arq Ciênc Saúde. 2006; 13(3): 146-152

Albuquerque CMS. Comportamientos de salud e de riesgo en la adolescencia. Tese [Doutorado] – Badajoz: Universidade de Extremadura; 2004.

Ferreira ESD. Ansiedade aos Exames em Estudantes universitários: Relação com Stresse Académico, Estratégias de Coping e Satisfação Académica. Dissertação [Mestrado] ¬– Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias; 2014.

Graziani P, Swendsen J. O stress–Emoções e estratégias de adaptação. Lisboa: Climepsi Editores; 2005.

Macht M, Simons WG. Emocional Eating. In: Nyklíčel I, Vingerhoets A, Zeelenberg M. Emotional Regulation and Well-Being. New York: Springer; 2011. p. 281-295.

Macht M. How emotions affect eating: a five-away model. Appetite. 2008; 50(1): p. 1-11.

Sousa NFPD. O impacto da exposição ao afeto negativo no comportamento alimentar: quantidade ingerida e escolha alimentar. Tese [Doutorado]; 2012.

Macht M, Roth S, Ellgrin H. Chocolate eating in healthy men during experimentally induced sadness and joy. Appetite. 2002; 39(2): p.147-158.

Vargas CS, Kirsten VR., Colpo E. Hábitos alimentares e conhecimento de mulheres sobre os dez passos da alimentação saudável propostos pelo Ministério da Saúde. Rev. da AMRIGV.2011; 55(2): 118-122.

Scagliusi FB, Polacow VO, Cordás TA, Coelho D, Alvarenga M.; Philippi ST, et al. Tradução, adaptação e avaliação psicométrica da Escala de Conhecimento Nutricional do National Interview Survey Cancer Epidemiology. Rev. de Nutrição. 2006; 19(4): 425-436.

Montero BA, Martí N, González AG. Evaluation of dietary habits of a population of university students in relation with their nutritional knowledge. Nutrición hospitalaria. 2006; 21(4): 466.




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v7i1.290

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

  • LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico): é uma plataforma para agregação de conteúdo científico e acadêmico em formato eletrônico produzido no contexto ibero-americano, relacionado a ele em um sentido cultural e social mais amplo e geograficamente não restritivo.
  • GOOGLE SCHOLAR: é uma ferramenta de pesquisa do Google que permite pesquisar em trabalhos acadêmicos, literatura escolar, jornais de universidades e artigos variados.