OBESIDADE INFANTIL A PARTIR DE UMA PERCEPÇÃO FAMILIAR

Jacolina Leite dos Santos, Thaís da Conceição Pereira, Joyce Viviane Cavalcanti Cruz

Resumo


O processo de globalização ocasionou grandes mudanças nos hábitos de vida da população, trazendo alterações do perfil nutricional e aumentando o número de casos de obesidade, em especial a infantil. Os pais são os principais responsáveis pela alimentação da criança e por isso devem saber fazer boas escolhas e reconhecer alterações do estado nutricional de seus filhos. O presente estudo visou compreender a percepção e o conhecimento dos pais/responsáveis acerca da obesidade infantil. Tratou-se de um estudo exploratório, transversal, de abordagem qualitativa, realizado em 10 domicílios familiares, por meio de uma entrevista com os responsáveis da criança. Foram utilizados dois questionários: um semi-estruturado, um socioeconômico e uma escala de silhuetas. Foi verificado pouco conhecimento e/ou dificuldade por parte dos entrevistados em definir o conceito de obesidade, causas e riscos que essa condição nutricional pode trazer a saúde. Para uma estratégia de prevenção é necessário o reconhecimento do estado nutricional dos filhos por parte dos pais dentro dos critérios clínicos, para que assim, possam contribuir com a prevenção e/ou identificação precoce ou até mesmo um tratamento apropriado, evitando futuras complicações à saúde da criança.


Palavras-chave


Obesidade pediátrica. Imagem corporal. Comportamento alimentar

Texto completo:

INGLÊS PORTUGUÊS

Referências


Fagundes ALN. et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade

em escolares da região de Parelheiros do município de São

Paulo. Rev. paul. pediatr., São Paulo, 2008;26(3):212-217,

DOI: 10.1590/S0103-05822008000300003

Rodrigues L. Obesidade Infantil. IN: Accioly, E.; Saunders, C.;

Lacerda, E. M. A. Nutrição em Obstetrícia e Pediatria. 2. ed. Rio

de Janeiro: Guanabara Kooogan, 2009. Cap. 24, p. 377.

Novaes JF.; Rocha DS; Netto MP. Hábito alimentar e

obesidade. IN: LAMOUNIER, J. A; WEFFORT, V. R. S. Nutrição em

Pediatria - da neonatologia à adolescência. 1. ed. São Paulo:

Manole, 2009. Cap.7, p. 345-346.

Ney et al. Maternal perceptions and self-perception of the

nutritional status of children and adolescents from private

schools. J. Pediatr. (Rio J.), Porto Alegre, 2007;83(4):349-

DOI: 10.2223/JPED.1678

Lamounier JA; Lamounier FB; Weffort VRS. Aspectos gerais

da obesidade na infância e na adolescência. IN: LAMOUNIER,

J.A; WEFFORT, V.R.S. Nutrição em Pediatria - da neonatologia à

adolescência. 1ed. São Paulo: Manole, 2009. Cap.7, p. 328-

Franescatto C. et al. Mothers' perceptions about the

nutritional status of their overweight children: a systematic

review. J. Pediatr. (Rio J.), Porto Alegre, 2014;90(4):332-

DOI: 10.1016/j.jped.2014.01.009

Brasil. Ministério da Saúde. Orientações para a coleta e

análise de dados antropométricos em serviços de saúde:

Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional

- SISVAN. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. (Série G.

Estatística e informação em saúde).

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 510, de

de abril de 2016. Trata das especificidades éticas das

pesquisas nas ciências humanas e sociais e de outras que

utilizam metodologias próprias dessas áreas. Brasília: Diário

Oficial da União, 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, de

de dezembro de 2012. Aprovar as diretrizes e normas

regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos.

Brasília: Diário Oficial da União, 2012.

Kakeshita IS. Adaptação e validação de Escalas de

Silhuetas para crianças e adultos brasileiros. 2008. 121f. Tese

(Doutorado em Psicobiologia) - Faculdade de Filosofia, Ciências

e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão

Preto, 2008. DOI: 10.11606/T.59.2008.tde-25052008-

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edição 70; 2011.

Oliveira LDS.; Lima DF. O. Modelo de segurança alimentar e

nutricional e seus determinantes socioeconômicos e

comportamentais. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 16,

n. 59, art. 47, p. 1-20, 2011. DOI: 10.1590/1415-

Defante LR.; Nascimento LDO; Lima, DOF. Comportamento

de consumo de alimentos de famílias de baixa renda de

pequenas cidades brasileiras: o caso de Mato Grosso do

Sul. Interações (Campo Grande), Campo

Grande, 2015;16(2):265-276.

DOI:10.1590/151870122015203

Pereira MM., Lang RMF. Influência do ambiente familiar no

desenvolvimento do comportamento alimentar. Rev. UNINGÁ,

Maringá, 2014;41:86-89.

Mello ADM. et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade em

crianças de seis a dez anos de escolas municipais de área

urbana. Rev. paul. pediatr., São Paulo, 2010;28(1):48-54. DOI:

1590/S0103-05822010000100009

Nunes GDS. Percepção Materna do estado nutricional dos

filhos. 2013. 41f. Trabalho de conclusão de Curso (Graduação

em nutrição) - Universidade Federal do Rio Grande do sul, Porto

Alegre. DOI: 10183/87091

Antunes T. Percepção materna do estado nutricional de

crianças matriculadas no ensino fundamental de escolas

municipais de Porto Alegre/RS. 2014. 31f. Trabalho de

conclusão de Curso (Graduação em nutrição) - Universidade

Federal do Rio Grande do sul, Porto Alegre. DOI:

/108991

Silva JPC. Concepção materna sobre excesso de peso

infantil e o estado nutricional seus filhos de. 2013. 118f. Tese

(Doutorado em Saúde Materno Infantil) – Faculdade de Saúde

Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

DOI:10.11606/T.6.2013

Silva KS, Costa MCM. Assistência de enfermagem à criança

obesa: um estudo de caso. Revis. Enfermagem Integrada.

Ipatinga, 2008;1(1):68-79.

Nunes MCA, Morais NA. As relações familiares de crianças

obesas: uma análise dos discursos maternos. Clínica & Cultura,

;1(1):68-82.

Santos LRC., Rabinovich, EP. Situações familiares na

obesidade exógena infantil do filho único. Saúde soc., São

Paulo, 2011;20(2):507-521. DOI: 10.1590/S0104-

Bayer A. et al. Intervenção grupal em pacientes com

obesidade e seus familiares: relato de experiência. Psicol.

cienc. prof., Brasília, 2010;30(4):868-881. DOI:

1590/S1414-98932010000400015

Lopes PCS, Prado SRLA.; Colombo P. Fatores de risco

associados à obesidade e sobrepeso em crianças em idade

escolar. Rev. bras. enferm., Brasília, 2010;63(1):73-78. DOI:

1590/S0034-71672010000100012

Abreu JCR., Sousa BLF. Obesidade infantil: abordagem em

contexto familiar. 2010. 44f. Trabalho de conclusão de Curso

(Graduação em nutrição) - Faculdade de Ciências da Nutrição

e Alimentação/Universidade do porto, Funchal.

Linhares, FMM. obesidade infantil: influência dos pais sobre

alimentação e estilo de vida dos filhos. Temas em saúde, João

pessoa, 2016;16(2):460-481.

Rodrigues VM, Fiates GMR. Hábitos alimentares e

comportamento de consumo infantil: influência da renda

familiar e do hábito de assistir à televisão. Rev.

Nutr., Campinas, 2012;25(3):353-362. DOI: 10.1590/S1415-

Poeta, LS, Duarte, MFS.; Giuliano ICB. Qualidade de vida

relacionada à saúde de crianças obesas. Rev. Assoc. Med.

Bras., São Paulo, 2010;56(2):168-172. DOI: 10.1590/S0104-

Valentini MP. Obesidade: causas e consequências em

crianças e adolescentes. Conexões, Campinas, SP,

;8(3):47-63.

Camargo APPM. et al. A não percepção da obesidade pode

ser um obstáculo no papel das mães de cuidar de seus

filhos. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, 2013;18(2):323-

DOI: 10.1590/S1413-81232013000200004

Tenório AS, Cobayashi F. Obesidade infantil na percepção

dos pais. Rev. paul. pediatr. São Paulo, 2011;29(4):634-639.

DOI: /10.1590/S0103-05822011000400025




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v6i2.328

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

  • LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico): é uma plataforma para agregação de conteúdo científico e acadêmico em formato eletrônico produzido no contexto ibero-americano, relacionado a ele em um sentido cultural e social mais amplo e geograficamente não restritivo.
  • GOOGLE SCHOLAR: é uma ferramenta de pesquisa do Google que permite pesquisar em trabalhos acadêmicos, literatura escolar, jornais de universidades e artigos variados.