O USO DE RECURSOS ERGOGÊNICOS NUTRICIONAIS ENTRE ATLETAS OU DESPORTISTAS COM ÊNFASE EM SEU EFEITO PLACEBO: Uma revisão integrativa

Stephanye Arraes Oliveira, Patrícia Dore Vieira

Resumo


A popularidade dos Recursos Ergogênicos Nutricionais (REN) entre atletas e desportistas é ampla. Acredita-se que o uso desses produtos pode contribuir no desempenho físico, porém, a maioria desses produtos não possui eficácia comprovada cientificamente. Além de existir a controvérsia sobre eventuais malefícios a saúde causada pelo seu consumo, especula-se também o efeito placebo dessas substâncias. Teve-se como objetivo analisar o efeito placebo e/ou maléfico dos REN, e quais dentre os mais consumidos possuem comprovação cientifica de efetividade. A presente pesquisa trata-se de uma revisão sistemática. Foi realizado uma busca nas bases de dados indexados na área da saúde, Scientific Electronic Library Online (SCIELO), PUBMED ( NCBI) e LILACS, de artigos publicados nos últimos 5 anos. Foram adotados como critérios de inclusão artigos nos idiomas português, espanhol e inglês com resumo disponível que envolvessem apenas humanos. E foram excluídos trabalhos acadêmicos como: dissertações, teses e artigos de revisão de literatura. Acerca dos resultados foi verificado a ocorrência do efeito placebo, e que as expectativas tanto do aplicador quanto do usuário interferem no efeito. Quanto a efetividade, os suplementos Whey Protein, Creatina, cafeína e BCAAs, em ensaios clínicos mostraram ter poder ergogênico. Em relação aos malefícios, sinais gastrointestinais como alteração no peristaltismo foram relatados, além de haver falta de regulamentação por parte dos Órgãos responsáveis pela fiscalização desses produtos. Tendo em vista a escassez de pesquisas na temática abordada novos estudos são necessários sobre os assuntos para elucidação dos mesmos.

Palavras-chave


Suplementos ergogênicos. Eficácia. Efeito placebo. Malefício

Texto completo:

INGLÊS PORTUGUÊS

Referências


Mendes e L; Munior R A; Andaki A C R; Junior M M; Simim M A M; Mota G R. Ergogênicos nutricionais e desempenho no rugby: revisão sistemática. Arquivos de Ciências do Esporte.Minas Gerais. Universidade Federal do Triângulo Mineiro / Instituto de Ciências da Saúde – ICS. 2014; 1. Acesso em: 04 de abril de 2017.Disponível em:.

Loiola, C. F.; Lucena, K. C. C.; Monteiro, L. C. S.; Valadão, T. N. La creatina como suplemento ergogénico y la actividad física. EFDeportes. Revista Digital. Buenos Aires. 2015;202. Acesso em: 29 de junho de 2017. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd202/creatina-como-suplemento-ergogenico.htm.

Pereira, L.P. Utilização de recursos ergogênicos nutricionais e/ou farmacológicos em uma academia da cidade de barra do Piraí, RJ. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. 2014; 48. ISSN 1981 9927. Acesso em: 27 de junho de 2017.

Disponível em:< http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/viewFile/428/401>.

Castanho, G.K.F; Fontes, E.B.; Fernandes, P.T. O perigo da contaminação de suplementos alimentares com substâncias ilícitas para os praticantes de exercício físico e esporte. Conexões: revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas. 2014; 12; 161-180. ISSN: 1983-9030.

Silva, L.F.M; Ferreira, K.S. Segurança alimentar de suplementos comercializados no Brasil. Rev Bras Med Esporte. 2014; 5. Acesso em: 29 de julho de 2017. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/rbme/v20n5/1517-8692-rbme-20-05-00374.pdf

BRASIL. Resolução RDC n° 18, de 27 de abril de 2010. Aprova o “Regulamento técnico sobre alimentos para atletas”, nos termos desta Resolução. Órgão emissor: ANVISA-Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Acesso em: 29 de junho de 2017. Disponível em:< http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2718376/RDC_18_2010_COMP.pdf/1f6e1baf-fd83-4408-8e97-07578fe3db18>.

Applegate EA; Grivetti le. Search for the competitive edge: a history of dietary fads and supplements. J Nutr. California, EUA. 1997; 127(5 Suppl):869S-873S.

Fayh, A. T.; Silva, C. V.; Jesus, F. R. D.; Costa, G. K. Consumo de suplementos nutricionais por frequentadores de academias da cidade de Porto Alegre. Revista Brasileira de Ciência do Esporte. 2013; 35; 27-37.

Willian B; Jacob N; Madureira F; Guedes D; Oliveira F; Madsen L; Scorcine C. O efeito placebo no desempenho de praticantes de musculação. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. 2016; 10; 10-15. ISSN 1981-9900.

Jost, P.A; Poll, F.A. Consumo de suplementos alimentares entre praticantes de atividade física em academias de Santa Cruz do Sul – RS. Cinergis.2014;15(1):10-17. Acesso em: 14-de setembro de 2017.Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/cinergis/article/viewFile/4357/3602.

Bérdi M; Ferenc Köteles; ATTILA SZABÓ; GYÖRGY BÁRDOS.Placebo effects in sport and exercice. European Journal of Menthal Health. Vancouver, Canadá. 6 (2011) 196–212 DOI: 10.5708/EJMH.6.2011.2.5.

Saunders B; DE Oliveira LF; DA Silva RP; DE Salles Painelli V; Gonçalves LS; Yamaguchi G; Mutti T; Maciel E; Roschel H; Artioli GG; Gualano. Placebo in sports nutrition a proof-of-principle study involving caffeine supplementation. Scand J Med Sci Sports. Medford, 2016. DOI: 10.1111/sms.12793.

Ross R; Gray CM; Gill JM. Effects of a injected placebo on endurance Running performance. Medicine & Science in Sports & Exercice. Glasgow, Reino Unido. 2015. DOI: 10.1249/MSS.0000000000000584.

ZanellI J C S; Cordeiro B A; Beserra B T S; Trindade E B S M. Creatina e treinamento resistido: efeito na hidratação e massa corporal magra. Rev. Bras Med Esporte. 2015; 21. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1517-86922015210101932.

Nemezio KMA; Oliveira CRC; Sila AEL. Suplementação de creatina e seus efeitos sobre o desempenho em exercícios contínuos e intermitentes de alta intensidade. Rev. Educ. Fis. 2015; 26. DOI: 10.4025/reveducfis.v26il.23888. 16. Cooper R; Naclerio F, Allgrove J, Jimenez A. Creatine supplementation with specific view to exercise/sports performance: an update. J Int Soc Sports Nutr. Kent, Reino Unido. 2012 Jul 20;9(1):33. Doi: 10.1186/1550-2783-9-33.

hall M; Trojian TH. Creatine supplementation. Curr Sports Med Rep .2013; 12(4): 240-4. DOI: 10.1249/JSR.0b013e31829cdff2.

Salicio V M; Fett C A; Salicio M A; Brandão C F; Stoppiglia L F, Fett C R; Botelho A C. The effects of caffeine supplementation on trained individduals subjected to maximal treadmill test. Afr Trad Complement Altern Med. 2016. DOI: 10.1111/sm.1279

Arcoverde L; Silveira R; TomazinI F; Sansonio A; Bertuzzi R; Lima-Silva AE; ANDRADE-SOUZA VA. Effect of caffeine ingestion on anaerobic capacity quantified by different methods. PLoS One. 2017;15;12(6). DOI: 10.1371 / journal.pone.0179457.

silva DF: Guimarães LC. Utilização da cafeína como recurso ergogênico nutricional no exercício físico. Conexão ei.:r. cient. 2013; 1; 59-74.

Gualano B ; Painelli VS; Gonçalves LS; Yamaguchi G; Oliveira LF; Saunders B; DA Silva RP; Maciel E; Artioli GG; Roschel H. Dispelling the myth that habitual caffeine consumption influences the performance response to acute caffeine supplementation. J Appl Physiol. 2017;1; 123(1):213-220. DOI: 10.1152/japplphysiol.00260.2017.

Volek JS; Volk BM; Gómez AL; Kunces LJ; Kupchak BR; Freidenreich DJ; Aristizabal JC; Saenz C; Dunn-Lewis C; Ballard KD; Quann EE; Kawiecki DL; Flanagan SD; Comstock BA; Fragala MS; Earp JE; Fernandez ML; DE Bruno RS; Ptolomeu AS; Kellogg MD; Maresh CM , Kraemer WJ. Whey protein supplementation during resistance training augments lean body mass. J Am Coll Nutr. 2013; 32 (2): 122-35.DOI:10.1080/07315724.2013.793580.

West Dwd; Abou Sawan S; Mazzulla M; Williamson E; Moore DR. Whey Protein supplementation Enhances whole body protein metabolism and performance recovery after resistance exercice: a double- blind crossover study. Nutrients, Toronto, Canadá. 2017, 9, 735; DOI: 10.3339/nu9070735.

Ermolao A; Zanotto T; Carraro N; Fornasier T; Zaccaria M; Neunhaeuserer D; Bergamin M. Repeated sprint ability is not enhanced by caffeine, arginine, and branched-chain amino acids in moderately trained soccer players. Journal of Exercice Rehabilitation. 2017; 13(1):56-61. DOI: 10.12965/ jer. 1732722.361.

Kephart W C; Mumford P W; Mccloskey A E, Holland M A; Shake J J; Brooks Mobley C B; Jagodinsky A E; Wendi H; Weimar W H; Oliver G D; Young K C; Moon J R; Roberts M D. Post- exercice branched chain amino acid supplementation does not effects recovery markers following three consecutive high intensity resistance-training bouts compared to carboidrate supplementation. J Into Soc Sports Nutr. 2016; 13. DOI 10.1186/sl2970-016-0142-y.

Howatson G; Hoad m; Goodall S; Tallent J; Bell P; French D N. Exercise-induced muscle damage is reduced in resistance-trained males by branched chain amino acids: a randomized, double-blind, placebo controlled study. J Int Soc Sports Nutr.2012 Jul 12; 9:20. DOI: 10.1186/1550-2783-9-20. 27. Waldron M ,Whelan K , Jeffries O , Burt D , Howe L , Patterson SD . The effects of acute branched-chain amino acid supplementation on recovery from a single bout of hypertrophy exercise in resistance-trained athletes. Appl Physiol Nutr Metab.2017 Jun; 42(6):630-636. DOI: 10.1139/apnm-2016-0569.

RA SG; Miyazaki T; Kojima R; Komine S; Ishikura K; Kawanaka K; Honda A; Matsuzaki Y; Ohmori H. Effects of BCAA supplementation timing on exercice-induced muscle soreness and damage: a pilot placebo-controlled double-blind study. J Sports Med Phys Fitness. Roma. 2017 Sep, 22. DOI: 10.23736/S0022-4707.17.07638-1.

Agnol T MD; Araújo M P; Laino F; Parmigiano T R; Girão M J B C; Saortori M G F. Avaliação do hábito intestinal em mulheres atletas e sua relação com nível de hidratação e uso de suplementos. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. 2016; 58; 458-466.ISSN 1981-9927.

Andrew I; Geller; Nadine Shehab; Nina J. Weidle; Maribeth C. Lovegrove; Beverly J. Wolpert; Babgaleh B Timbo; Robert P. Mozersky; Daniel S. Budnitz. Emergency Department visits for adverse events related to dietary supplements. N Engl J Med, Reino Unido. 2015; 373: P.1531- DOI: 10.1056 / NEJMsa1504267.




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v6i2.347

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

  • LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico): é uma plataforma para agregação de conteúdo científico e acadêmico em formato eletrônico produzido no contexto ibero-americano, relacionado a ele em um sentido cultural e social mais amplo e geograficamente não restritivo.
  • GOOGLE SCHOLAR: é uma ferramenta de pesquisa do Google que permite pesquisar em trabalhos acadêmicos, literatura escolar, jornais de universidades e artigos variados.