FATORES DE RISCO PARA INFECÇÃO DO TRATO RESPIRATÓRIO E URINÁRIO EM PACIENTES DE UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Ana Paula Agostinho Alencar, Maria Eugênia Alves Almeida Coelho, Fernando Luiz Affonso Fonseca, Daniele Gomes da Silva, Estephani Vitorino Correia da Silva, Gabriela Duarte dos Santos, Maria Williany Silva Ventura, Natana de Morais Ramos, Petrúcya Frazão Lira

Resumo


As infecções hospitalares apresentam, atualmente, elevada distribuição mundial e representam uma das possíveis causas de morte em pacientes hospitalizados. No Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde, a taxa média de infecção hospitalar é de 15,5%. Em contrapartida, na Europa e nos Estados Unidos é cerca de 10%. Objetiva identificar produções nacionais e internacionais sobre os principais fatores de risco para infecção do trato urinário e respiratório em paciente internados na Unidade de Terapia Intensiva. Busca feita 2020, levantamento bibliográfico referente aos últimos cinco anos das publicações científicas das bases de dados Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE), na Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e no Banco de Dados em Enfermagem (BDENF). Utilizando os descritores “Infecção hospitalar” e “Unidade de terapia intensiva”, com o auxílio do operador boleano AND. Resultado: 10.164 trabalhos, destes 1.323 publicados nos últimos cinco anos, 1.511 nos idiomas inglês, português e/ou espanhol, 5.208 disponíveis, dos quais 1.323 se apresentaram em formato de arquivo. Verificou-se que os anos de publicação predominantes foram 2019 e 2015 com 6 artigos publicados em cada (30%), seguindo por 2016 com 5 (25%). Quanto ao idioma, 12 artigos (60%) foram publicados na língua inglesa e 8 em português (40%). Dentre as temáticas identificadas, há predominância de artigos referentes à infecção respiratória, 16 (80%), quando comparado à infecção urinária, 4 (20%), e nenhum artigo aborda as temáticas concomitante. Conclui-se que o uso de protocolos e padronização dos procedimentos são eficientes e que cada profissional é responsável por realizar medidas profiláticas e controle de infecções, ressaltando a importância da educação continuada.


Palavras-chave


Infecção hospitalar. Fatores de risco. Unidade de terapia Intensiva.

Texto completo:

Português Inglês

Referências


Gaspar MD, Busato CR; Severo E. Prevalência de infecções hospitalares em um hospital geral de alta complexidade no município de Ponta Grossa. Acta Scientiarum. 2012; 1 (34): 23-29. DOI https://doi.org/10.4025/actascihealthsci.v34i1.8943.

Galvão LAC. Um artigo atual que trata de riscos à saúde pública. Cad. Saúde Pública. 2017; v.33 supl.3. DOI https://doi.org/10.1590/0102-311xco010317.

Sousa AFL, Oliveira LB, Moura MEB. Perfil epidemiológico das infecções hospitalares causadas por procedimentos invasivos em unidade de terapia intensiva. Rev. Pre. Infec e Saúde, 2016; 2 (1-2): 11-7. DOI https://doi.org/10.26694/repis.v2i1-2.6048.

Dutra LA, Esteves LO, Silva TO, Resk ZMR, Lima RS, Sanches RS. Pneumonia associada a ventilação mecânica: percepção dos profissionais de enfermagem. Rev enferm UFPE on line, 2019; 13 (4): 884-92. DOI https://doi.org/10.5205/1981-8963-v13i04a237363p884-892-2019.

Ministério da Saúde (Brasil), Portaria n. 2.616, 12 de maio de 1998. Diretrizes e normas para a prevenção e o controle das infecções hospitalares. Brasília 1998. (Acesso em: 10 de març 2019).

Disponívelem:https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/legislacao/item/portaria-n-2-616-de-12-de-maio-de-1998

Favarin SS, Camponogara S. Perfil dos pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva adulto de um hospital universitário. Rev Enferm UFSM. 2012; 2 (2): 320-329. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/217976925178.

Menotti AFS, Ferraz CP, Moraes LT, Jardim NA, Barros YV, Gomes RMV, Elias RM, Correa TFB. Prevalência de microorganismos em infecções de trato urinário na Unidade de Terapia Intensivo adulto em um hospital de médio porte. Caderno de Publicações Univag. 2019. (Acesso em: 05 fev de 2019) n. (10).

Disponível em: http://periodicos.univag.com.br/index.php/caderno/issue/view/77

Sá, LTGS, Souza AM, Santos JPA, Oliveira JC. Análise da assistência de enfermagem nos cuidados aos pacientes com sepse na unidade de terapia intensiva. 2º Congresso Internacional de Enfermagem - CIE. 13° Jornada de Enfermagem da Unit (JEU) – 6 a 10 maio de 2019. (Acesso em: 05 de feve de 2019) Disponível em: file:///C:/Users/Dell/Downloads/11321-41390-1-PB.pdf.

Lima ME, Andrade D, HAAS, V.J. Prospective Assessment of the Occurrence of Infection in Critical Patients in an Intensive Care Unit. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. 2007; 19 (3): 342-347. DOI https://doi.org/10.1590/S0103-507X2007000300013.

Costa DK, Yang JJ, Manojlovich M. The critical care nurse work environment, physician staffing, and risk for ventilator-associated pneumonia. Rev. American Journal of Infection Control. 2016; (44): 1181-3. DOI 10.1016/j.ajic.2016.03.028.

Barboza DS, Silva RGM. Sistemas de classificação de pacientes em uma unidade de terapia intensiva neurológica. Journal Health NPEPS. 2016; 2 (1): 197-07.

Costa JB, Costa AL, Torres F, Silva AFG, Júnior ATT. Os principais fatores de risco da pneumonia associada a ventilação mecânica em UTI adulta. Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente. 2016; 7(1): 80-92. DOI https://doi.org/10.31072/rcf.v7i1.361.

Nguyen C, Kaku S, Tutera D, Kuschner WG, Barr J. Viral Respiratory Infections of Adults in the Intensive Care Unit. Rev. Journal of Intensive Care Medicine. 2016; 31 (7): 427-441. DOI https://doi.org/10.1177/0885066615585944.

Salmanov A, Litus V, Vdovychenko S, Litus O, Davtian L, Ubogov S, Bisyuk Y, Drozdova A, Vlasenko I. Healthcare-associated infections in intensive care units. Rev. Wiad Lek. 2019; 5 (72): 963-969, 2019.

Willson DF, Webster A, Heidemann S, Meert KL. Diagnosis and Treatment of Ventilator-Associated Infection: Review of the Critical Illness Stress-Induced Immune Suppression Prevention Trial Data. Pediatr Crit Care Med. 2016; 17 (4): 287 – 293. DOI 10.1097/PCC.0000000000000664.

Melo MM, Santiago LMM, Nogueira DL, Vasconcelos MFP. Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica: Conhecimento dos Profissionais de Saúde Acerca da Prevenção e Medidas Educativas. Rev.fundam.care. 2019; (11): 377-382.

DOI 10.1097/PCC.0000000000000664.

Torres A. ICU-acquired pneumonia: is it time to use this term? Rev. Copyright © 2018 Wolters Kluwer Health, Inc. All rights reserved. 2018; 24(5). DOI 10.1097/MCC.0000000000000539.

Mota EC, Oliveira SP, Silveira BRM, Silva PLN, Oliveira AC. Incidência da pneumonia associada à ventilação mecânica em unidade de terapia intensiva. Rev. Medicina (Ribeirão Preto, Online.). 2017; 50 (1): 39-46. DOI http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v50i1p39-46

Nair GB, Niederman M. Ventilator-associated pneumonia: present understanding and ongoing debates. Rev. Intensive Care Med. 2015; (41): 34–48. DOI 10.1007/s00134-014-3564-5.

Herrador BG, Molina CD, Allam MF, Navajas RFC. Independent risk factors associated with hospital-acquired pneumonia in an adult ICU: 4-year prospective cohort study in a university reference hospital. Rev. Journal of Public Health. 2015; 38 (2): 378–383. DOI 10.1093/pubmed/fdv042.

Kooi TI I, Boshuizen H, Wille JC, Greeff SC, Dissel JT, Schoffelen AF, Gaalen RD. Using flexible methods to determine risk factors for ventilator-associated pneumonia in the Netherlands. Rev. Plos one. 2019; 14 (6). DOI https://doi.org/10.1371/journal.pone.0218372.

Lourençone AMS, Branco A, Monteiro AB, Fonseca JP, Caregnato RCA. Adesão às medidas preventivas versus incidência de pneumonia associada à ventilação mecânica. Rev. Epidemiol. Controle Infecç. Santa Cruz do Sul. 2019 Abr-Jun;9(2): 142-148. (Acesso em: 10 de mar de 2019) Disponível em:

https://online.unisc.br/seer/index.php/epidemiologia/article/viewFile/12596/8029.

Ferreira CR, Souza DF, Cunha T M, Tavares M, Reis SSA, Pedroso RS, Roder DVDB. The effectiveness of a bundle in the prevention of ventilator-associated pneumonia. Braz J Infect Dis. 2016; 20 (3): 267 – 271. DOI https://doi.org/10.1016/j.bjid.2016.03.004.

Finco G, Musu M, Landoni G, Campagna M, Lai A, Cabrini L, Sardo S, Mura P, Galletta M. Healthcare-associated respiratory infections in intensive care unit can be reduced by a hand hygiene program: A multicenter study. Rev. Australian Critical Care. 2018 nov; 31 (6): 340-346. DOI 10.1016 / j.aucc.2017.10.004.

Almeida KMV, Barros OMC, Santos GJC, Valença MP, Cavalcanti ATA, Ferreira KO. Adesão às medidas de prevenção para pneumonia associada à ventilação mecânica Rev Enferm UFSM. 2015; 2 (5): 247-256. DOI http://dx.doi.org/10.5902/2179769215411.

Vilela MCN, Ferreira GZ, Santos PSS, Rezende NPM. Cuidados bucais e pneumonia nosocomial: revisão sistemática Rev Einstein. 2015; 2 (13): 290-296. DOI: 10.1590/S1679-45082015RW2980.

Mladenović J, Veljović M, Udovičić I, Lazić S, Jadranin Z, Šegrt Z; Ristić P, Šuljagić, V. Catheter-associated urinary tract infection in a surgical intensive care unit. Rev. Vojnosanit Pregl. 2015; 10 (72): 883–888, 2015. DOI DOI: 10.2298/VSP140624078M.

Barbosa LR, Mota EC, Oliveira AC. Infecção do trato urinário associada ao cateter vesical em uma unidade de terapia intensiva. Rev. Epidemiol. Controle Infecç. Santa Cruz do Sul. 2019; 9 (2): 103-108, 2019. DOI http://dx.doi.org/10.17058/reci.v9i1.11579.

Duszyńska W, Rosenthal VD, Szczęsny A, Woźnica E, Ulfik K, Ostrowska E, Litwin A, Kubler A. Urinary tract infections in intensive care unit patients— a single-centre, 3 year observational study according to the INICC project. Rev. Anaesthesiology Intensive Therapy. 2016; 48 (1): DOI 10.5603/AIT.2016.0001.

Chaves NMO, Moraes CL. Controle de infecção em cateterismo vesical de demora em unidade de terapia Intensive. Rev. enferm. Cent.-Oeste Min. 0ut 2015; 5 (2): 1650 – 1657. DOI http://dx.doi.org/10.19175/recom.v0i0.773.




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v8i1.465

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

  • LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico): é uma plataforma para agregação de conteúdo científico e acadêmico em formato eletrônico produzido no contexto ibero-americano, relacionado a ele em um sentido cultural e social mais amplo e geograficamente não restritivo.
  • GOOGLE SCHOLAR: é uma ferramenta de pesquisa do Google que permite pesquisar em trabalhos acadêmicos, literatura escolar, jornais de universidades e artigos variados.
  • SUMÁRIOS:  Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org) é uma base indexadora de periódicos científicos brasileiros que busca ampliar a divulgação e o acesso aos periódicos científicos nacionais.