RELAÇÃO DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ANSIEDADE EM GRADUANDOS NA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Giovanni Vieira Pinheiro, Maria Do Socorro Da Silva, Milana Drumond Ramos Santana, Larissa Raylane Lucas Monteiro, Eli Carlos Martiniano, Luana Bezerra Mangueira, Érico Luiz Damasceno Barros, José Ramon Alcântara da Silva, Gabriela Augusto Liberalino

Resumo


Dentre os distúrbios psiquiátricos, a ansiedade é o mais prevalente ao longo da vida. Diante deste transtorno ocorrem mudanças nas particularidades comportamentais e neurológicas dos acometidos. A variabilidade da frequência cardíaca (VFC) e seus índices buscam compreender as oscilações entre os intervalos R-R dos batimentos cardíacos, que são resultado da forma atuante do Sistema Nervoso Autônomo (SNA) sobre a FC. Analisar a relação da ansiedade e variabilidade da frequência cardíaca (VFC) em graduandos na apresentação de trabalho de conclusão de curso (TCC). Trata-se de um estudo quase experimental com características quantitativas. A pesquisa foi realizada em uma instituição de ensino superior, na cidade de Juazeiro do Norte, Ceará, antes e após apresentação de trabalho de conclusão de curso. Os sujeitos da pesquisa foram 30 alunos de ensino superior do curso de Farmácia. A VFC Foi medida posicionando no tórax dos voluntários, na região do terço distal do esterno, a cinta de captação e, no punho, o receptor de frequência cardíaca Polar RS800CX (Polar Electro, Finlândia). Para análise dos índices de VFC a frequência cardíaca foi registrada batimento a batimento durante todo o procedimento da coleta de dados com uma taxa de amostragem de 1000 Hz. Foram utilizadas séries com 256 intervalos estáveis. Os índices do domínio de tempo e frequência permaneceram inalterados, o que indica boa adaptação fisiológica do organismo frente às situações de estresse. Os alunos não apresentaram mudanças significativas na VFC antes ou após as apresentações, o que sugere um condicionamento para a influência da ansiedade no controle do SNA sobre o coração. As apresentações dos TCCs não causaram alterações na modulação autonômica cardíaca dos estudantes. Entretanto, verifica-se aumento das pressões arteriais sistólicas após as apresentações dos TCCs quando comparadas aos valores inicias antes das apresentações.


Palavras-chave


Ansiedade; Frequência cardíaca; Sistema nervoso autônomo.

Texto completo:

Português Inglês

Referências


Sanchez-Gonzalez MA, Guzik P, My RW, Koutnik AP, Hughes R, Muniz S, Kabbaj M, Fincham FD. Trait anxiety mimics age-related cardiovascular autonomic modulation in young adults. Journal of human hypertension. 2015; (29): 274-280. Doi:10.1038/jhh.2014.72.

Lantyer AS, Varanda CC, Souza FG, Padovani RC, Viana MB. Ansiedade e Qualidade de Vida entre Estudantes Universitários Ingressantes: Avaliação e Intervenção. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva. 2016; 18 (2): 04-19.

Assis CC, Lopes JL, Nogueira-Martins LA, Barros ALBL. Acolhimento e sintomas de ansiedade em pacientes no pré-operatório de cirurgia cardíaca. Revista Brasileira de Enfermagem. 2014; 67 (3): 401-407.

Muniz M, Fernandes DC. Autoconceito e ansiedade escolar: um estudo com alunos do ensino fundamental. Psicologia Escolar e Educacional. 2016; 20 (3): 427-436.

Medeiros LA, Ramiro FMS, Lima CAA, Souza LMA, Fortes TMV, Gropp, FC. Avaliação do grau de ansiedade dos pacientes antes de cirurgias orais menores. Revista de Odontologia da UNESP. 2013; 42 (50): 357-363.

Wells R, Outhred T, Heathers JAJ, Quintana DS, Kemp AH. Matter over mind: a randomised-controlled trial of single-session biofeedback training on performance anxiety and heart rate variability in musicians. PLoS ONE. 2012; 7(10): e46597. doi:10.1371/journal.pone.0046597.

Cardoso AC, Baumann L, Nunes R, Campos FC, Júnior AP, Brandt R, Flores LJF. Variabilidade da frequência cardíaca de indivíduos saudáveis e ciclistas em repouso e durante o exercício físico. Coleção Pesquisa em Educação Física. 2016; 15 (4): 181-188.

Vanderlei LCM, Pastre CM, Hoshi AR, Carvalho DT, Godoy MF. Noções básicas de variabilidade da freqüência cardíaca e sua aplicabilidade clínica. Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular. 2009; 24 (2): 205-217.

Santana MDR, Sousa ACA, Abreu LCV. Association between oral variables and heart rate variability. International Archives of medicine. 2013; 15 (4): 342-350.

Niskanen JP, Tarvainen MP, Ranta-aho PO, Karjalainen PA. Software for advanced HRV analysis. Comp. Met. Progr. Biomed. 2004; 76 (10): 73-81.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. VII Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2016; 107 (Supl. 3).

Guo Z, Feng L, Yan X, Le Y, Huang S, Xing Y, Yang Y. Characteristics of cardio-Cerebrovascular modulation in patients with generalized anxiety disorder: an observational study. BMC Psychiatry. 2017; 17:259.

Chalmers JA, Heathers JAJ, Abbott MJ, Kemp AH, Quintana DS. Worry is associated with robust reductions in heart rate variability: a transdiagnostic study of anxiety psychopathology. BMC Psychology. 2016; 4:32. Doi: 10.1186/s40359-016-0138-z.

Griffiths KR, Quintana DS, Hermens DF, Spooner C, Tsang TW, Clarke S, Kohn MR. Sustained Attention and Heart Rate Variability in children and adolescents with ADHD. Biological Psychology. 2017; 124: 11-20.

Alvares GA, Quintana DS, Kemp AH, Zwieten AV, Belleine BW, Hickie IB, Guastella AJ. Reduced Heart Rate Variability in Social Anxiety Disorder: Associations with Gender and Symptom Severity. PLoS ONE. 2013; 8(7): 70468 Doi:10.1371/journal.pone.0070468.

Suh S, Ellis RJ, Sollers JJ, Thayer JF, Yang HC, Emery CF. The effect of anxiety on heart rate variability, depression, and sleep in Chronic Obstructive Pulmonary Disease. Journal of Psychosomatic Research. 2013; (74): 407–413.

Chen HC, Yang CCH, Kuo TBJ, Su TP, Chou P. Cardiac vagal control and theoretical models of co-occurring depression and anxiety: A cross-sectional psychophysiological study of community elderly. BMC Psychiatry. 2012; 12:93.

.




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v7i1.638

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

  • LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico): é uma plataforma para agregação de conteúdo científico e acadêmico em formato eletrônico produzido no contexto ibero-americano, relacionado a ele em um sentido cultural e social mais amplo e geograficamente não restritivo.
  • GOOGLE SCHOLAR: é uma ferramenta de pesquisa do Google que permite pesquisar em trabalhos acadêmicos, literatura escolar, jornais de universidades e artigos variados.