CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS ACERCA DO ALEITAMENTO MATERNO FRENTE ÀS MALFORMAÇÕES ORAIS

Naynne Pryscilla Moreira Melo, Ana Paula Ribeiro de Castro, Ariadne Gomes Patrício Sampaio, Ana Maria Machado Borges, Célida Juliana de Oliveira, Maria Roselise Bezerra Saraiva, Ana Raquel Bezerra Saraiva Tavares

Resumo


Introdução: O incentivo ao aleitamento deve ser realizado desde o período de pré-natal, bem como durante a internação na maternidade para minimizar as dificuldades relacionadas ao manejo. Contudo, o desconhecimento dos profissionais de saúde diante do manejo para a orientação e intervenção do aleitamento materno junto às crianças com malformações labiopalatais, favorece ao desmame precoce. Objetivo: analisar o conhecimento dos enfermeiros atuantes no alojamento conjunto diante das práticas do aleitamento materno com recém-nascidos que apresentam lábio leporino e/ou fenda palatina. Métodos: pesquisa descritiva, exploratória, qualitativa, através de entrevista semiestruturada. Foram adotados como critérios de inclusão: ser graduado em enfermagem; trabalhar no alojamento conjunto e estar presente na Unidade, no momento da coleta; a qual as falas foram organizadas a partir da análise de conteúdo. Resultados: Participaram 07 enfermeiras. Quanto ao tempo de formação acadêmica houve uma variação de 8 meses até 31 anos, especializações todas relataram possuir alguma pós-graduação. Mediante e a análise das falas emergiram duas categorias: Aleitamento materno e suas nuances e o Manejo do aleitamento materno pelos enfermeiros em situações especiais. Conclusão: existe grande dificuldade quanto aos cuidados prestados pelos enfermeiros acerca do manejo do aleitamento em crianças com fenda labiopalatais, essa a inexperiência pode ser evidenciada, ainda, no período de formação acadêmica, bem como educação continuada. Torna-se imprescindível a participação dos enfermeiros nessa assistência, como também a preparação teórica e prática, durante a formação acadêmica e no período de atuação profissional.


Palavras-chave


Aleitamento Materno; Fenda labial; Malformações congênitas

Texto completo:

Português Inglês

Referências


Amando AR, Tavares AK, Oliveira AKP, Fernandes FECV, Sena CRS, Melo RA. Percepção de mães sobre o processo de amamentação de recém-nascidos prematuros na Unidade Neonatal. Rev Baiana Enferm. 2016; 30(4):1-11. doi: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v30i4.17134

Carvalho ACO, Saraiva ARB, Gonçalves GAA, Soares JR, Pinto SL. Aleitamento materno: promovendo o cuidar no alojamento conjunto. Rev Rene. 2012; 14(2):241-51. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/3367

Silva NM, Waterkemper R, Silva EF, Cordova FP, Bonilha ALL. Conhecimento de puérperas sobre amamentação exclusiva. Rev Bras Enferm. 2014; 67(2):290-5. doi: http://dx.doi.org/10.5935/0034-7167.20140039

Castelli CTR, Maahs MAP, Almeida ST. Identificação das dúvidas e dificuldades de gestantes e puérperas em relação ao aleitamento materno. Rev CEFAC. 2014; 16(4):1178-86. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1982-0216201411713

Hockenberry MJ, Wilson D. Wong, fundamentos de enfermagem pediátrica. Tradução: Maria Inês Corrêa Nascimento. 9a. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

Brasil. Manual cuidados básicos aos portadores de fissura labiopalatina. Secretaria da Saúde, Coordenação da Atenção Básica. São Paulo, SMS, 2012.

Ferreira DN, Alves SC, Moraes PMO, Pires DSM. Amamentação de crianças com fenda palatina e fissuras labiais. Rev Para. Med. 2013 [citado 2017 ago. 10]; 26(4). Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0101-5907/2012/v26n4/a3486.pdf

Toledo Neto JL, Souza CM, Katakura EALB, Costa TV, Prezotto KH, Freitas TB. Knowledge of graduated nursing students on breast feeding newborns with cleft lip and palate. Rev Rene. 2015 [cited 2017 Feb 10]; 16(1):21-8. doi:

15253/2175-6783.2015000100004

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa. 14ª ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Giuliane NR, Oliveira J, Santos BZ, Bosco VL. O início do desmame precoce: motivo das mães assistidas por serviços de puericultura de Florianópolis/SC para esta prática. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2012 [citado 2017 ago. 10]; 12(1):53-8. Disponível em: http://revista.uepb.edu.br/index.php/pboci/article/viewFile/1040/776

Dias RB, Boery RNSO, Vilela ABA. Conhecimento de enfermeiras e estratégias de incentivo da participação familiar na amamentação. Ciênc Saúde Coletiva. 2016; 21(8):2527-36. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015218.08942015

Oliveira CS, Iocca FA, Carrijo LR, Garcia RATM. Amamentação e as intercorrências que contribuem para o desmame precoce. Rev Gaúcha Enferm. 2015; 36(esp):16-23. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.56766

Piccin S, Machado AD, Bleil RT. Estado nutricional e prática de aleitamento materno de crianças portadoras de fissuras labiopalatais de Cascavel/Paraná. Rev. Soc. Bras. Alim. Nutr.= J. Brazilian Soc. Food Nutr., 2009; 34(3):71-83.

Dias JS, Vieira TO, Vieira GO. Factors associated to nipple trauma in lactation period: a systematic review. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2017 [cited 2017 Aug 10]; 17(1):43-58. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/1806-93042017000100003

Brasil. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Rocci E, Fernandes RAQ. Dificuldades no aleitamento materno e influência no desmame precoce. Rev Bras Enferm. 2014; 67(1):22-7. doi: 10.5935/0034-7167.20140002

Trettene AS, Maximiano TO, Beraldo CC, Mendonça JSC, Luiz AG, Costa B. Aleitamento materno em lactentes com fissura labiopalatina. Rev enferm UFPE on line., 2018; 12(5):1390-6,. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i5a230983p1390-1396-2018

Branco LL, Cardoso MC. Alimentação no recém-nascido com fissuras labiopalatinas. Universitas: Ciência da Saúde. 2013; 11(1):57-70. Disponível em: https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/cienciasaude/article/view/1986/2054




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v7i1.645

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

  • LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico): é uma plataforma para agregação de conteúdo científico e acadêmico em formato eletrônico produzido no contexto ibero-americano, relacionado a ele em um sentido cultural e social mais amplo e geograficamente não restritivo.
  • GOOGLE SCHOLAR: é uma ferramenta de pesquisa do Google que permite pesquisar em trabalhos acadêmicos, literatura escolar, jornais de universidades e artigos variados.