IMPACTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS SOBRE A DEFICIÊNCIA DE FERRO NA POPULAÇÃO BRASILEIRA: FORTIFICAÇÃO DE FARINHAS DE TRIGO E MILHO E O PROGRAMA NACIONAL DE SUPLEMENTAÇÃO DE FERRO

Mariane Helen De Oliveira, Guilherme Wataru Gomes, Sophia Cornbluth Szafarc

Resumo


Introdução: A anemia é considerada um problema de saúde pública mundial, e segundo a OMS, acomete aproximadamente 24,8% da população. No Brasil, para combate da anemia ferropriva, foram implementados a fortificação obrigatória das farinhas de milho e trigo com ferro e ácido fólico e o Programa Nacional de Suplementação de Ferro (PNSF). Objetivo: Verificar através de uma revisão integrativa a efetividade da fortificação das farinhas e do PNSF. Método: Foram pesquisadas as bases PubMed, SciELO e LILACS e incluídos artigos originais publicados entre 2008-2017, sendo selecionados 14 artigos, 9 referentes à fortificação das farinhas e 5 referentes ao PNSF. Resultados: Enquanto alguns estudos demonstram adequação do estado do ferro e redução da prevalência de anemia após a fortificação, outros têm demonstrado uma falha em alcançar esses desfechos, principalmente gestantes, mulheres em idade reprodutiva e crianças com idade inferior a 24 meses. Baixa adesão ao PNSF pelas mães e profissionais da saúde, suplementação em quantidades inadequadas, problemas na operacionalização e fiscalização do programa, falta de treinamentos dos profissionais da saúde. Conclusão: Os resultados demonstram a necessidade de monitoração do programa de fortificação de farinhas a nível nacional, avaliando a quantidade de alimento fortificado consumida, o estado nutricional do ferro na população brasileira e a qualidade e biodisponibilidade do ferro dos alimentos fortificados. Os órgãos federais precisam se empenhar para melhorar a operacionalização do programa e incentivar a capacitação dos profissionais de saúde para que estes conscientizem a população sobre as consequências da anemia e sobre a necessidade de adesão ao PNSF.


Palavras-chave


Ferro, Anemia Ferropriva, Suplementação Alimentar, Deficiência de Ferro, Política Pública.

Texto completo:

Português Inglês

Referências


Organização Mundial de Saúde. Lucha contra la anemia nutricional, especialmente contra la carência de hierro: Informe ADI/OIEA/OMS. Série de Informes Técnicos, 580. Genebra: OMS, 1975.

Fujimori Elizabeth, Szarfarc Sophia C, Oliveira Ida Maria Vianna de. Prevalência de anemia e deficiência de ferro em adolescentes do sexo feminino - Taboão da Serra, SP, Brasil. Rev. Latino-Am. Enfermagem 1996; 4(3): 49-63. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11691996000300005.

Osório MM, Lira PI, Batista-Filho M, Ashworth A. Prevalence of anemia in children 6-59 months old in the state of Pernambuco, Brazil. Rev Panam Salud Publica 2001;(10):101-7. DOI: http://dx.doi.org/10.5581/1516-8484.20110028.

World Health Organization. Iron deficiency anemia: assessment, prevention and control. A guide for programme managers. WHO/NDH/01.3. Geneve: WHO/NHD, 2001.

Unicef. The state of the world’s children. Oxford University Press: New York, 1998.

World Health Organization. Worldwide prevalence of anaemia 1993–2005: WHO global database on anaemia. [Acesso em 10 Nov 2018].

Disponível em: http://whqlibdoc.who.int/publications/2008/9789241596657_eng.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Suplementação de Ferro Manual de Condutas Gerais, Brasília, DF: O Ministério; 2013.

Batista Filho M, Barbosa NP. Pró-memória: alimentação e nutrição no Brasil: 1974-1984. Brasília: INAN; 1985.

Silva LS, Giuglian ER, Aerts DR. Prevalence and risk factors for anemia among children in Brazil. Rev Saude Publica 2001;35:66-73.

DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2015.09.007.

Szarfarc SC. Políticas Públicas para o controle da anemia ferropriva. Rev. Bras. Hematol. Hemoter 2010;32(Supl.2):02-07. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-84842010005000065.

Batista Filho M, Rissin A. Deficiências Nutricionais: Ações Específicas do Setor Saúde para o seu Controle. Cad. Saúde Pública. 1993;9(2):130-35. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1993000200003.

Brasil. Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília; 2009.

Frota MTBA. Prevalência e fatores associados à anemia em mulheres e crianças no Maranhão. Cad. Saúde Pública. 2015;23(4):362-67. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2013000100014.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Aprova o Regulamento Técnico para a Fortificação das Farinhas de Trigo e das Farinhas de Milho com Ferro e Ácido Fólico. Diário Oficial da União, Poder Executivo; Brasília: 2002. Resolução RDC n° 344.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Dispõe sobre o enriquecimento das

farinhas de trigo e de milho com ferro e ácido fólico. Diário Oficial da União, Poder Executivo; Brasília: 2017. Resolução RDC n° 150.

Vieira DA, Steluti J, Verly E Jr, Marchioni DM, Fisberg RM. Brazilians' experiences with iron fortification: evidence of effectiveness for reducing inadequate iron intakes with fortified flour policy. Public Health Nutr. 2017;20(2):363-70. DOI:https://doi.org/10.1017/S1368980016001981.

Assunção MC, Santos IS, Barros AJ, Gigante DP, Victora CG. Flour fortification with iron has no impact on anaemia in urban Brazilian children. Public Health Nutr. 2012;15(10):1796-801. DOI:https://doi.org/10.1017/S1368980012003047.

Dos Santos Q, Nilson EA, Verly Junior E, Sichieri R. An evaluation of the effectiveness of the flour iron fortification programme in Brazil. Public Health Nutr. 2015;18(9):1670-74. DOI: https://doi.org/10.1017/S1368980014002055.

Fujimori E, Sato APS, Szarfarc SC, da Veiga GV, de Oliveira VA, Colli C et al . Anemia em gestantes brasileiras antes e após a fortificação das farinhas com ferro. Rev. Saúde Pública 2011;45(6):1027-35. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000078.

Da Silva CL, Saunders C, Szarfarc SC, Fujimori E, da Veiga GV. Anaemia in pregnant women before and after the mandatory fortification of wheat and corn flours with iron. Public Health Nutr. 2012;15(10):1802-09. DOI: http://dx.doi.org/ 10.1017/S1368980012001206.

Souza Filho MD, Damasceno CVX, Szarfarc SC, Fujimori E, Araújo MAM, Moreira-Araújo RSR. Fortificação das farinhas com ferro e controle da anemia em gestantes de Teresina, Piauí, Brasil. Rev. Nutr. 2011;24(5):679-88. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732011000500002.

Sato APS, Fujimori E, Szarfarc SC, Sato JR, Bonadio IC. Prevalência de anemia em gestantes e a fortificação de farinhas com ferro. Texto Contexto - Enferm. 2008 ; 17(3): 474-81. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072008000300008.

Araújo CRMA, Uchimura TT, Fujimori E, Nishida FS, Veloso GBL, Szarfarc SC. Níveis de hemoglobina e prevalência de anemia em gestantes atendidas em unidades básicas de saúde, antes e após a fortificação das farinhas com ferro. Rev. Bras. Epidemiol. 2013; 16(2):535-45. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2013000200027.

Sato APS, Porto E, Brunken GS, Fujimori E, Leone C, Szarfarc SC. Anemia e nível de hemoglobina em gestantes de Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, antes e após a fortificação compulsória de farinhas com ferro e ácido fólico, 2003-2006. Epidemiol. Serv. Saúde 2015; 24(3):453-64. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000300011.

Fujimori E, Sato APS, Araújo CRMA, Uchimura TT, Porto ES, Brunken GS, Borges ALV, Szarfarc SC. Anemia em gestantes dos municípios das regiões sul e centro oeste do Brasil. Revista da Escde Enferm USP, 43(2):1204:09. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342009000600010.

Latorre WC. A percepção coletiva, pelo setor regulado, da resolução brasileira que determina a fortificação de farinhas de trigo com ferro e ácido fólico. Doutorado [Tese] - Universidade de São Paulo, 2005. DOI: http://dx.doi.org/ 10.11606/D.89.2005.tde-23032009-095024.

Vellozo EP, Fisberg M. O impacto da fortificação de alimentos na prevenção da deficiência de ferro. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2010;32(Suppl 2):134-39. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-84842010005000069.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Informe Técnico nº 43 de 2010: Perfil Nutricional dos Alimentos Processados, 2010;52.

Cembranel F, Dallazen C, González-Chica DA. Efetividade da suplementação de sulfato ferroso na prevenção da anemia em crianças: revisão sistemática da literatura e metanálise. Cad. Saúde Pública 2013 Set;29(9):1731-51. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00152312.

Cembranel F, Corso AC, González-Chica DA. Inadequacies in the treatment of iron deficiency anemia among children registered in the national program of iron supplementation in Florianópolis, Santa Catarina, Brazil. Texto Contexto Enferm 2017; 26(2): 02-11. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072017006310015.

Azeredo CM, Cotta RMM, Silva LS, Franceschini SCC, Sant'Ana LFR, Ribeiro RCL. Implantação e impacto do Programa Nacional de Suplementação de Ferro no município de Viçosa - MG. Ciênc. saúde coletiva 2011 Oct;16(10): 4011-22. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001100006.

Motta NC, Domingues KA, Colpo E. Impact of the National Program of Iron Supplementation for children in Santa Maria, RS. Rev. AMRIGS 2010 Out;54(4):393-98.

Oliveira TG, Nascimento SVS, Moreira PVL. O Programa nacional de suplementação de ferro na ótica dos profissionais de nutrição do município de Cabedelo-PB. Rev. bras. ciênc. saúde 2014;18(2):121-30. DOI: http://dx.doi.org/10.4034/RBCS.2014.18.02.05.

Stulbach TE, Name JJ; Daboin BEG, Szarfarc SC. Eficácia do programa nacional de suplementação de ferro no controle de anemia em lactentes assistidos em centros de educação infantil. J. Hum. Growth Dev 2014; 24(3): 282-88. DOI: http://dx.doi.org/ 10.7322/jhdg.88960.

Oliveira VP. Fatores Associados à efetividade do programa Nacional de suplementação de ferro voltado à crianças abaixo de 2 anos. Campos Gerais. Monografia [Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família] – Universidade Federal de Minas Gerais; 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v7i1.661

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

  • LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico): é uma plataforma para agregação de conteúdo científico e acadêmico em formato eletrônico produzido no contexto ibero-americano, relacionado a ele em um sentido cultural e social mais amplo e geograficamente não restritivo.
  • GOOGLE SCHOLAR: é uma ferramenta de pesquisa do Google que permite pesquisar em trabalhos acadêmicos, literatura escolar, jornais de universidades e artigos variados.