LUTA POR DIREITOS SOCIAIS E IDENTIDADE PELOS TRANSGÊNEROS

Rivaniery Teles Braga Emidio de Brito, Elis Augusta Dias Fernandes, José Leonardo Gomes Coelho, Valéria Ferreira da Costa Borba, Rafael de Carvalho Mendes, Suiany Emidía Timóteo da Silva, Emanuela Machado Silva Saraiva, Willma José de Santana

Resumo


Os direitos sociais frente às diversidades sexuais existentes são temas necessários a serem analisados, uma vez que a sexualidade, de um modo geral, sempre foi alvo de debates, no que se refere a compreensão dos gêneros masculino e feminino, bem como as variações de identidade sexual ligadas aos transgêneros e toda a comunidade LGBT mediante seus papéis distintos e pré-estabelecidos socioculturalmente. O objetivo deste estudo é analisar as dificuldades enfrentadas pelos transgêneros em sua busca pela identidade e direitos sociais. A metodologia utilizada foi um estudo de revisão integrativa. Os resultados demonstraram que os grupos LGBTs são vítimas de discriminação, intolerância e violência físicas e psicossociais. Todavia, para elucidar a temática vigente, políticas públicas devem ser melhoradas e novas devem ser implementadas para erradicar problemas de desigualdades ligados às diferentes orientações sexuais.


Palavras-chave


LGBT, Pessoas Transgênero, Políticas públicas.

Texto completo:

Português Inglês

Referências


Albuquerque GA, Parente JS, Belém JM, Garcia LG. Violência psicológica em lesbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no interior do Ceará, Brasil. Saúde debate 2016;40(109). DOI: 10.1590/0103-1104201610908.

Silva RGLB, Bezerra WC, Queiroz SB. Os impactos das identidades transgênero na sociedade de travestis e mulheres transexuais. Revista de Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo2015;26(3):364-372. DOI: 10.11606/issn.2238-6149.v26i3p364-372.

Barros FPC, Sousa MF. Equity: concepts, meanings and implications for the Brazilian National Health System. Sude Soc. 2016;25(1). DOI: 10.1590/S0104-12902016146195.

Souza MHT, Pereira PPG. Cuidado com a saúde: as travestis de santa maria, Rio Grande do Sul. Texto contexto enfermagem 2015;24(1):146-156. DOI: 10.1590/0104-07072015001920013.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enfermagem; 2008; 17 (4).

Moher D, Liberati A, Tetzlaff J, Altman DG. Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses: The PRISMA Statement. PLoS Med. 2009; 6 (7): 1-6.

Soley P. Transexualidad y Transgénero: una perspectiva bioética. Revista Bioética y derecho 2014;(30):21-39. DOI: 10.4321/S1886-58872014000100003.

Spizzirri G, Pereira CMA, Abdo CHN. O termo Gênero e suas contextualizações. Diagn Tratamento 2014;19(1):42-44.

Petry AR. Mulheres transexuais e o processo transexualizador: experiencias de sujeição, padecimento e prazer na adequação do corpo. Revista Gaúcha de Enfermagem 2015;36(2):70-75. DOI: 10.1590/1983-1447.2015.02.50158.

Silva GWS, Souza EFL, Sena RCF, Moura IBL, Sobreira MVS, Miranda FAN. Situações de violência contra travestis e transexuais em um município do nordeste brasileiro. Rev Gaúcha Enferm 2016;37(2). DOI: 10.1590/1983-1447.2016.02.56407.

Rocon PC, Rodrigues A, Zamboni J, Pedrini MD. Dificuldades vividas por pessoas trans no acesso ao sistema único de saúde. Ciênc. Saúde colet. 2016;21(8). DOI: 10.1590/1413-81232015218.14362015.

Reis N, Pinho R. Gênero não-binário: identidades, expressão e educação. Revista Reflexão e Ação 2016;24(1):07-25. DOI: 10.17058/rea.v24i1.7045.

Spizzirri G. Disforia de gênero em indivíduos transexuais adultos: aspectos clínicos e epidemiológicos. Diagn Tratamento 2017;22(1):45-48.

Rocon PC, Sodré F, Zamboni J, Rodrigues A, Roserio MCFB. O que esperam pessoas trans do sistema único de saúde?. Interface-Comunicação, Saúde, Educação 2018;22(64):43-53. DOI: 10.1590/1807-57622016.0712.

Jesus JG. Gênero sem essencialismo: feminismo transgênero como crítica do sexo. Universitas humanística 2014;78:241-257 . DOI: 10.11144/Javeriana.UH78.gsef.

Freire EC, Araújo FCA, Souza AC, Marques D. A clínica em movimento na saúde de TTTs: caminho para materialização do SUS entre travestis, transexuais e transgêneros. Saúde em debate 2013;37:477-484.

Sheila J. Uma crítica lésbico-feminista ao discurso transgênero. Ver. Estudos Feministas 2016;24(1):373-376. DOI: 10.1590/1805-9584-2016v24n1p373.

Fuentesa CM, Aguayoc AM. Acerca de niños, niñas y adolescentes transgénero. Revista chilena de pediatria 2018;89(2):288-289. DOI: 10.4067/S0370-41062018000200288.




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v7i2.706

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

  • LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico): é uma plataforma para agregação de conteúdo científico e acadêmico em formato eletrônico produzido no contexto ibero-americano, relacionado a ele em um sentido cultural e social mais amplo e geograficamente não restritivo.
  • GOOGLE SCHOLAR: é uma ferramenta de pesquisa do Google que permite pesquisar em trabalhos acadêmicos, literatura escolar, jornais de universidades e artigos variados.