ACUIDADE DOS PONTOS DE CORTE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL RECOMENDADOS PELA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE PARA DIAGNOSTICAR OBESIDADE EM ADULTOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Mariane Helen De Oliveira, Debora dos Santos Pereira, Daiane Sousa Melo, Cláudia Cristina Vieira Pastorello, Luiza Lujan São João, Larissa Novais da Silva Lopes

Resumo


Introdução: A Organização Mundial da Saúde recomenda a utilização do Índice de Massa Corporal (IMC) para a avaliação do estado nutricional de indivíduos, porém, alguns estudos apontam uma necessidade de maior acuidade dos pontos de corte para diagnóstico de obesidade, uma vez que ele não tem sido representativo para todas as etnias. Objetivo: Verificar a acuidade do diagnóstico de obesidade a partir dos pontos de corte de IMC em adultos, por meio de uma revisão integrativa. Métodos: Foram pesquisadas as bases PubMed, SciELO e LILACS, artigos publicados entre os anos 2003 e 2018, em língua portuguesa e inglesa, utilizando os descritores ‘’Índice de Massa Corporal’’, ‘’Obesidade’’, “Avaliação Nutricional”, “Adultos”, “Doenças Crônicas”, “Mortalidade” e “Indicadores de Morbimortalidade”. Foram excluídos estudos de revisão, experimentais com animais, artigos em duplicidade nas bases de dados e relatos de caso. Resultados: Inicialmente foram encontradas 77 referências, mas após a análise de resumo e texto completo restaram 12 artigos para esta revisão. Os estudos foram classificados em transversal e longitudinal, e o IMC foi correlacionado e/ou associado com outros indicadores de diagnóstico de obesidade e/ou morbimortalidade. Conclusão: A literatura reforça que os pontos de corte do IMC estão inadequados para populações asiáticas, para mulheres, africanos, entre outros. Reforçando a necessidade de uma análise mais acurada a partir da composição corporal em populações multiétnicas para determinação de obesidade, assim como o uso em conjunto com outros indicadores.


Palavras-chave


Índice de Massa Corporal, Obesidade, Avaliação Nutricional, Adultos, Indicadores de Morbimortalidade.

Texto completo:

Português Inglês

Referências


Ribeiro SML, Melo CM, Quaresma MVLS. Avaliação Nutricional de adultos. In: Avaliação Nutricional – Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan (ed)., 2 ed., 2018. p. 245-257.

Mello ED. O que significa a avaliação do estado nutricional. J. Pediatr. 2002 Set 78;(5):357-8.

Doi: 10.1590/S0021-75572002000500003.

De Vasconcelos FD. Avaliação nutricional de coletividades. Editora da Universidade Federal de Santa Catarina, 3 ed. 2000. p. 67-81.

World Health Organization Expert Consultation. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: World Health Organization; 1995.

World Health Organization Expert Consultation. Obesity: Preventing and managing the global epidemic – Report of a WHO consultation on obesity. Geneva: World Health Organization Tech Rep Ser., 2000.

Dias PC, Henriques P, Anjos LA, Burlandy L. Obesidade e políticas públicas: concepções e estratégias adotadas pelo governo brasileiro. Cad. Saúde Pública. 2017 Jul 33;(7):1-12. Doi: 10.1590/0102-311x00006016.

Field AE, Coakley EH, Must, A, Spadano JL, Laird N, Dietz WH. et al. Impact of overweight on the risk of developing common chronic diseases during a 10-year period. Arch Int Med. 2001 Jul 9;161(13):1581-6. Doi: 10.1001/archinte.161.13.1581.

International Agency for Research on Cancer - IARC. Overweight and lack of exercise linked to increase cancer risk a growing problem. [Internet] Lyon: IARC; 2002. [cited 2018 Out 05]. Available from: https://www.iarc.fr/en/media-centre/pr/2002/pr140.html

Lauby – Secretan MB, Scoccianti C, Loomis D, Grosse Y, Bianchini F, Straif, K. Body Fatness and Cancer — Viewpoint of the IARC Working Group. N Engl J Med. 2016 Ago 25;375(8):794-8. Doi: 10.1056/NEJMsr1606602.

Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - ICESP. Excesso de peso associado com o câncer de endométrio em mulheres. [Internet] São Paulo: ICESP; 2016. [cited 2019 Fev 05]. Available from:http://www.icesp.org.br/busca/cancer.

World Health Organization. Obesity and Overweight. [Internet] Geneva; 2018. [cited 2019 Mar 15]. Available from: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/obesity-and-

overweight

Westphal P, Ferreira, C, Adamczeski M, Camargo L, Dos Santos R, Massaneiro AC, et al. Relação entre o índice de massa corporal de Quételet e o de Trefethen. Revista CPAQV. 2016 8;(3).

Organização Mundial da Saúde. Mulheres Adultas. In: Mulheres e Saúde: evidências de hoje, agenda de amanhã. Organização Mundial da Saúde. 2011:55-6.

World Health Organization. Waist circumference and waist-hip ratio: report of a WHO expert consultation. World Health Organization, Geneva; Dez 2011.

Benedetti TRB, Rech CR, Mazo GZ, Lopes, MA. Composição corporal em idosos. In: Antropometria: Técnicas e Padronizações, 5 ed. Várzea Paulista: Fontoura; 2011. p.31-44.

Anjos LA. Índice de massa corporal (massa corporal. estatura-2) como indicador do estado nutricional de adultos: Revisão da Literatura. Rev. Saúde Pública [online]. 1992 26;(6):431-6. Doi: 10.1590/S0034-89101992000600009.

Gonçalves R, Mascarenhas LP, Liebl EC, Lima VA, Souza WB, Grzelczak MT, et al. Grau de concordância do IMC e do IAC com percentual de gordura corporal. Rev Bras Qual Vida. 2014;6(1):8-16. Doi: 10.3895/S2175-08582014000100002

Yusuf S, Hawken S, Ounpuu S, Bautista L, Franzosi MG, Commerford P, Lang CC, et al. Obesity and the risk of myocardial infarction in 27 000 participants from 52 countries: a case-control study. The Lancet. 2005 Nov 5;366(9497):1640-9. Doi: 10.1016/S0140-6736(05)67663-5.

Zhu S, Heymsfield SB, Toyoshima H, Wang Z, Pietrobelli A, Heshka S. Race-ethnicity–specific waist circumference cutoffs for identifying cardiovascular disease risk factors. The American journal of clinical nutrition. 2005 Feb 1;81(2):409-15. Doi: 10.1093/ajcn.81.2.409.

Decoda Study Group, Nyamdorj R, Qiao Q, Lam TH, Tuomilehto J, Ho SY, et al. BMI compared with central obesity indicators in relation to diabetes and hypertension in Asians. Obesity. 2008 Jul 16(7):1622-35. Doi: 10.1038/oby.2008.73.

Welborn TA, Dhaliwal SS. Preferred clinical measures of central obesity for predicting mortality. European journal of clinical nutrition. 2007 Dec 61(12):1373. Doi: 10.1038/sj.ejcn.1602656.

Pischon T, Boeing H, Hoffmann K, Bergmann M, Schulze MB, Overvad K, et al. General and abdominal adiposity and risk of death in Europe. New England Journal of Medicine. 2008 Nov 13;359(20):2105-20. Doi: 10.1056/NEJMoa0801891.

Bigaard J, Tjønneland A, Thomsen BL, Overvad K, Heitmann BL, Sørensen TI. Waist circumference, BMI, smoking, and mortality in middle‐aged men and women. Obesity research. 2003 Jul 11(7):895-903. Doi: 10.1038/oby.2003.123.

World Health Organization Expert Consultation. Appropriate body-mass index for Asian populations and its implications for policy and intervention strategies. Lancet (London, England). 2004 Jan 10;363(9403):157. Doi: 10.1016/S0140-6736(03)15268-3

Rahman M, Berenson AB. Accuracy of current body mass index obesity classification for white, black and Hispanic reproductive-age women. Obstetrics and gynecology. 2010 May;115(5):982. Doi: 10.1097/AOG.0b013e3181da9423.

Hunma S, Ramuth H, Miles-Chan JL, Schutz Y, Montani JP, Joonas N, Dulloo AG. Body composition-derived BMI cut-offs for overweight and obesity in Indians and Creoles of Mauritius: comparison with Caucasians. International Journal of Obesity. 2016 Dec;40(12):1906. Doi: 10.1038/ijo.2016.176.

Moock M, Mataloun SE, Pandolfi M, Coelho J, Novo N, Compri PC. O impacto da obesidade no tratamento intensivo de adultos. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. 2010 Jan 1;22(2):133-7. Doi: 10.1590/S0103-507X2010000200006.

Rezende FAC, Rosado LE, Franceschinni SD, Rosado GP, Ribeiro RD. Aplicabilidade do índice de massa corporal na avaliação da gordura corporal. Rev. bras. med. esporte. 2010;16(2):90-4. Doi: 10.1590/S1517-86922010000200002.

Bevilacqua MR, Gimeno SG. Abdominal obesity in Japanese-Brazilians: which measure is best for predicting all-cause and cardiovascular mortality?. Cadernos de saúde pública. 2011 Out 27(10):1986-96. Doi: 10.1590/S0102-311X2011001000012.




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v7i2.785

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

  • LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico): é uma plataforma para agregação de conteúdo científico e acadêmico em formato eletrônico produzido no contexto ibero-americano, relacionado a ele em um sentido cultural e social mais amplo e geograficamente não restritivo.
  • GOOGLE SCHOLAR: é uma ferramenta de pesquisa do Google que permite pesquisar em trabalhos acadêmicos, literatura escolar, jornais de universidades e artigos variados.
  • SUMÁRIOS:  Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org) é uma base indexadora de periódicos científicos brasileiros que busca ampliar a divulgação e o acesso aos periódicos científicos nacionais.