CÂNCERES FEMININOS: SUPLEMENTAÇÃO DE VITAMINAS A, C, E NA PREVENÇÃO

Ana Clara Lacerda Cervantes de Carvalho, Aracélio Viana Colares

Resumo


Considerada uma doença de multicausalidade, o termo câncer é um complexo de várias doenças com características distintas, provocando alterações no código genético e nas células de órgãos específicos que ocasiona lesões de intensidade diferenciada no indivíduo. As duas principais neoplasias responsáveis por acometer as mulheres são o câncer de mama e o cervical, acarretando a alta mortalidade, sendo a prevenção um recurso eficiente e barato relacionado ao alto custo com tratamentos mais ofensivos. Este estudo teve como objetivo analisar, por meio de uma revisão integrativa a suplementação das vitaminas A, C, E na atuação preventiva dos cânceres de mama e de colo de útero. A estratégia de busca delineada nas bases de dados LILACS e SCIELO. No processo de busca, utilizou-se o operador booleano AND, primeiramente, na associação dos descritores: Câncer de mama, vitaminas, prevenção. Posteriormente, os descritores: Câncer cervical, vitaminas, prevenção. Os critérios de inclusão dos artigos foram: estar disponível, estudos em inglês, português. O critério de exclusão deu-se aos artigos que não enfatizassem a prevenção desses cânceres através das vitaminas. Os estudos demonstram que a vitamina A inibe a promoção tumoral através da capacidade em inibir a oxidação de compostos pelos peróxidos. As vitaminas C e E garantem efeito protetor, pois apresentam funções como evitar a formação de carcinógenos. O caráter preventivo, através da conduta nutricional, é eficaz com a suplementação adequada, necessitando do acompanhamento do paciente, precisando-se, também, de mais estudos para consolidar os termos existentes e discernir novos mecanismos de atuação dessas vitaminas para esta finalidade.


Palavras-chave


Vitaminas. Suplementação Alimentar. Neoplasia de mama. Neoplasia de colo de útero. Prevenção de doenças.

Texto completo:

Português Inglês

Referências


Inca. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. – Rio de Janeiro: INCA, 2020.

Oliveira ALR, Michelini FS, Spada FC, Pires KG, Costa LO, Figueiredo SBC, Lemos AP. Fatores De Risco E Prevenção Do Câncer De Mama. Revista Cadernos de Medicina 2019; 2 (3).

Panis C. et al. Revisão crítica da mortalidade por câncer usando registros hospitalares e anos potenciais de vida perdidos. Revista Einstein (São Paulo) 2018; 16 (1). DOI: 10.1590/S1679-45082018AO4018

Silva J, Pereira P, Couto N, Ramalho R. Vitamina D E Cancro: Dos Mecanismos Biológicos À Utilidade Terapêutica. Acta Portuguesa De Nutrição 2018; 12: 32-37. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.21011/apn.2018.1206>

Oliveira MM, Malta DC, Guauche H, Moura L, Silva GA. Estimativa de pessoas com diagnóstico de câncer no Brasil: dados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Revista Brasileira de Epidemiologia 2015; 18 (2). DOI: 10.1590/1980-5497201500060013

Inca. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância- INCA 2017. Disponível em:

Anstey EH, Shoemaker ML, Barrera CM, Neil MB, Verma AB, Holman DM. Breastfeeding and Breast Cancer Risk Reduction: Implications for Black Mothers. American Journal of Preventive Medicine 2017; 53 (3). DOI: 10.1016/j.amepre.2017.04.024

Trufelli DC, Miranda VC, Santos MB, Fraile NM, Pecoroni PG, Gonzaga, SF. Análise do atraso no diagnóstico e tratamento do câncer de mama em um hospital público. Revista da Associação Médica Brasileira 2008; 1 (54). DOI: 10.1590/S0104-42302008000100024.

Silva MRF, Braga JPR, Moura JFP, Lima JTO. Continuidade Assistencial a mulheres com câncer de colo de útero em redes de atenção à saúde: estudo de caso, Pernambuco. Saúde debate 2016; 40 (110). DOI: 10.1590/0103-1104201611008

Sousa AMV. et al. Cervical cancer mortality in the state of Rio Grande do Norte, Brazil, 1996-2010: time trends and projections up to 2030. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2016; 25 (2). DOI: 10.5123/s1679-49742016000200010

Damacena AM, Luz LL, Mattos IE. Rastreamento do câncer do colo do útero em Teresina, Piauí: estudo avaliativo dos dados do Sistema de Informação do Câncer do Colo do Útero, 2006-2013. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2017; 26 (1). DOI: 10.5123/s1679-49742017000100008.

Borges MFSO, Dotto LMG, Koifman RJ, Cunha MG, Muniz PT. Prevalência do exame preventivo de câncer do colo do útero em Rio Branco, Acre, Brasil, e fatores associados à não-realização do exame. Caderno de Saúde Pública 2012; 28 (6). DOI: 10.1590/S0102-311X2012000600014

Madeiro A, Rufino AC, Brandão NS, Santos IS. Tendências da mortalidade por câncer do colo do útero no Piauí, 2000-2011. Cadernos Saúde Coletiva 2016; 24 (3). DOI: 10.1590/1414-462x201600030026

Frigato S, Hoga LAK. Assistência à mulher com câncer de colo uterino: o papel da enfermagem. Revista Brasileira Cancerologia 2003; 49 (4). Disponível em: < http://www1.inca.gov.br/rbc/n_49/v04/pdf/ARTIGO1.pdf>

Sampaio LC, Almeida CF. Vitaminas Antioxidantes na Prevenção do Câncer do Colo Uterino. Revista Brasileira de Cancerologia 2009; 55 (3). Disponível em:

Sampaio HAC, Rocha DC, Sabry MOD, Pinheiro LGP. Consumo alimentar de mulheres sobreviventes de câncer de mama: análise em dois períodos de tempo. Revista de Nutrição 2012; 5 (25). DOI: 10.1590/S1415-52732012000500005

Rohenkohl CC, Carniel AP, Colpo E. Consumo de antioxidantes durante tratamento quimioterápico. ABCD - Arquivos Brasileiros De Cirurgia Digestiva 2011; 24 (2). DOI: 10.1590/S0102-67202011000200004

Oliveira T. A importância do Acompanhamento Nutricional Para Pacientes Com Câncer. Prática Hospitalar 2007; 9 (51). Disponível em:

Grizzi F, Biccari SD, Maggio ADI, Muzzio PC. The complex dynamics of breast cancer. Current Women’s Health Reviews 2008; 4 (3). DOI: 10.2174/157340408785821773

Wren BG. The origin of breast cancer. Menopause 2007; 14 (6). DOI: 10.1097/gme.0b013e31803816db

Barbosa ACL, Hassimotto NMA, Lajolo FM, Genovese MI. Teores de isoflavonas e capacidade antioxidante da soja e produtos derivados. Ciência e Tecnologia de Alimentos 2006; 26 (4). Disponível em:

Silva PB, Lopes M, Trindade LCT, Yamanouchi CN. Controle dos Sintomas e Intervenção nutricional. Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes oncológicos em tratamento paliativo. Revista Dor 2010; 11 (4). Disponível em:

Silva IMC, Sá EQC. Alimentos funcionais: um enfoque gerontológico. Revista Brasileira Clinica Medica 2012; 10 (1). Disponível em:

Woo SR, Corrales L, Gajewski TF. Innate immune recognition of cancer. Annual review of immunology 2015; 33. DOI: 10.1146/annurev-immunol-032414-112043

Santos HS, Cruz WM. A Terapia Nutricional com Vitaminas Antioxidantes e o Tratamento Quimioterápico Oncológico. Revista Brasileira de Cancerologia 2007; 47 (3). DOI: 10.1590/S0102-67202011000200004

Padilha PC, Pinheiro RL. O Papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de Mama. Revista Brasileira de Cancerologia 2004; 50 (3). Disponível em:

Gouveia LAG, Passanha A, Rodrigues G, Mansur VN, Sab NP, Passadore MD. Efeito da ingestão de frutas, hortaliças, vitaminas A, C e E sobre o desenvolvimento do câncer colorretal. Revista Nutrição Brasil 2011; 10 (6). Disponível em:

Oliveira VA. Efeitos da imunonutrição no tratamento de pacientes com câncer e suas complicações. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde 2015; 35 (2). DOI: 10.5433/1679-0367.201v36n1p107

Ronnov-Jessen L, Bissel MJ. Breast cancer by proxy: can the microenvironment be both the cause and consequence? Trends in Molecular Medicine 2009; 15 (1). DOI: 10.1016/j.molmed.2008.11.001

Beachy PA, Karhadkar SS, Berman DM. Mending and malignancy. Nature 2004; 23 (7). DOI: 10.1038/431402a

Ferrari CKB, Torres EAFS. Novos compostos dietéticos com propriedades anticarcinogênicas. Revista Brasileira de Cancerologia 2002; 48 (3). Disponível em:

Mamede AC, Tavares SD, Abrantes AM, Trindade J, Maia JM, Botelho MF. The Role of Vitamins in Cancer. Nutrition and Cancer 2011; 63 (4). DOI: 10.1080/01635581.2011.539315

Smolarek AK, Suh N. Chemopreventive activity of vitamin E in breast cancer: a focus on γ- and δ-tocopherol. Nutrients 2011; 11 (3). DOI: 10.3390/nu3110962

Amendola LCB, Vieira RA. A contribuição dos genes BRCA na predisposição hereditária ao câncer de mama. Revista Brasileira de Cancerologia 2005; 51 (4). Disponível em:

Kim KN, Pie JE, Park JH, Park YH, Kim HW. Kim MK. Retinoic acid and ascorbic acid act synergistically in inhibiting human breast cancer cell proliferation. The Journal of Nutritional Biochemistry 2006; 17 (7). DOI:10.1016/j.jnutbio.2005.10.009

Nascimento FSM, Góis DNS, Almeida DS, Nascimento AL. Almeida TC, Guedes VR. A Importância Do Acompanhamento Nutricional No Tratamento E Na Prevenção Do Câncer. Ciências Biológicas e de Saúde 2015; 2 (3). Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/cadernobiologicas/article/view/1787/1183

Rivoire WA, Corlet HVE, Brum IS, Capp E. Biologia molecular do câncer cervical. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil 2006 6 (4). DOI: 10.1590/S1519-38292006000400012

Bagarelli LB, Oliani AH. Tipagem e estado físico de papiloma vírus humano in situ em lesões intra-epiteliais do colo uterino. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia 2004; 26 (1). DOI: 10.1590/S0100-72032004000100009.

Marshall KND. Cervical dysplasia: early intervention. Alternative Medicine Review 2003; 8 (2). Disponível em: < https://www.foundationalmedicinereview.com/wp-content/uploads/2019/02/v8-2-156.pdf>

Ferlay J. et al. Estimating the global cancer incidence and mortality. International journal of cancer 2019; 144 (8): 1941- 1953.

Carvalho JRA, Durães AS, Gusmão ACM, Soares PBM, Ferreira SJ. Prevalência do câncer de colo do útero e lesões intraepiteliais: população assistida no 8ºe 9º mutirões de prevenção ao câncer da cidade de Montes Claros – MG. III Congresso Nacional de Oncologia da Associação Presente 2019; 2 (16).

Siqueira LVA, Mendes RJ. Fatores limitadores e facilitadores para o controle do câncer de colo de útero: uma revisão de literatura. Ciênc. saúde coletiva 2019; 24(9): 3431-3442. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413.




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v8i2.802

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

  • LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico): é uma plataforma para agregação de conteúdo científico e acadêmico em formato eletrônico produzido no contexto ibero-americano, relacionado a ele em um sentido cultural e social mais amplo e geograficamente não restritivo.
  • GOOGLE SCHOLAR: é uma ferramenta de pesquisa do Google que permite pesquisar em trabalhos acadêmicos, literatura escolar, jornais de universidades e artigos variados.
  • SUMÁRIOS:  Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org) é uma base indexadora de periódicos científicos brasileiros que busca ampliar a divulgação e o acesso aos periódicos científicos nacionais.