O CONTEXTO FAMILIAR É UM DOS PRINCIPAIS CONTRIBUINTES PARA A OBESIDADE INFANTIL

Bruna Luiza Reis Moreira, Isadora Garcia Pires, Danielle Raquel Gonçalves

Resumo


A obesidade promove alterações metabólicas que favorecem o desenvolvimento de diabetes, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares, e câncer, além de problemas psicossociais. Tais consequências são observadas em adultos, mas vem sendo observadas em crianças também. Por isso, este estudo objetivou compreender os fatores ambientais que contribuem para o desenvolvimento da obesidade na infância. Tratou-se de uma revisão integrativa de literatura, onde foram selecionados e discutidos 35 estudos, os quais abordavam os possíveis fatores associados ao desenvolvimento da obesidade infantil. Os principais fatores encontrados nos estudos selecionados foram os hábitos alimentares e de vida da família, destacando-se o consumo de alimentos hipercalóricos, o sedentarismo, o estado nutricional parental e a prática do aleitamento materno. Fatores socioeconômicos e as propagandas de alimentos podem também estar associados à obesidade na infância. Observou-se que os fatores predisponentes para a obesidade infantil têm efeito isolado ou simultâneo, sendo recomendado no tratamento da criança com excesso de peso considerar, além do consumo alimentar, seu contexto familiar e social. Aponta-se o aconselhamento nutricional como medida eficaz, mas envolvendo toda a família do infante, tanto no ambiente escolar quanto no ambulatorial, além do familiar, e sugere-se explorar de maneira constante os fatores etiológicos da obesidade infantil, para que as medidas de intervenção propostas no tratamento desta patologia sejam atualizadas e adequadas, levando em consideração o conhecimento dos pais e demais envolvidos na educação da criança, no que concerne à alimentação e nutrição adequada na infância.

Palavras-chave: Obesidade pediátrica. Nutrição da Criança. Educação Alimentar e Nutricional.


Palavras-chave


Obesidade pediátrica. Nutrição da Criança. Educação Alimentar e Nutricional.

Texto completo:

Português Inglês

Referências


SBP-Sociedade Brasileira de Pediatria Departamento de Nutrologia Obesidade na infância e adolescência: Manual de Orientação. SBP. 2019; 3 ed:1-236.

Miranda JMQ, Ornelas EM, Wichi BR. Obesidade infantil e fatores de risco cardiovasculares. ConScientiae Saúde 2011; 10(1):175-180.

WHO-World Health Organization. Fiscal Policies for Diet and Prevention of Noncommunicable Diseases. WHO. 2016; 1-36.

IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2010;1-130.

ABESO-Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Diretrizes Brasileiras de Obesidade. ABESO. 2016; 4a ed:1-186.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein 2010; 8(1):102-106.

Rocha M, Pereira H, Maia R, Silva ED, Morais N, Maia E. Aspectos psicossociais da obesidade na infância e adolescência. Psicologia, Saúde & Doenças 2017; 18(3): 713-723.

Silva CS, Góis MIS; Lima MAT, Sousa MMF. Determinantes da obesidade em crianças acompanhadas por uma entidade de assistência social em Itabuna-BA. Revista Inova Saúde 2018; 7(1):130-140.

Dal Pas K, Soder TF, Deon, RG. Percepção dos pais: meu filho tem obesidade infantil? Revista Contexto & Saúde 2019; 19(36):20-26.

Santos JL, Pereira TC, Cruz JVC. Obesidade infantil a partir de uma percepção familiar. Rev. e-ciência 2018; 6(2):77-82.

Oliveira JG, Silva, J. C, Younes S. Incidência de obesidade infantil entre pré-escolares frequentadores de CMEI de Foz do Iguaçu. Revista Pleiade 2015; 8(16):60-70.

Vita DA, Pinho L. Sobrepeso e obesidade em escolares da rede municipal em Montes Claros–MG. Revista de APS 2012; 15 (3):320-327.

Machado RHV, Feferbaum R, Leone C. Consumo de frutas no Brasil e prevalência de obesidade. J Hum Growth Dev 2016; 26(2):243-252.

Almeida ATC, Netto Júnior JLS. Medidas de transmissão intergeracional da obesidade no Brasil. Cien Saude Colet 2015; 20(5):1401-1413.

Silva JPC, Nascimento VG, Souza JMP, Leone C, Souza SB. Maternal excess weight and nutritional status of preschool children. Int Arch Med 2017; 10(1):1-8.

Mascarenhas LPG, Modesto MJ, Amer NM, Boguszewski MCS, Lacerda Filho L, Prati FS. Influência do excesso de peso dos pais em Relação ao sobrepeso e obesidade dos Filhos. Pensar a prática: revista da pós-graduação em educação física escolar 2013; 16(2):320­618.

Camargo APPM, Barros Filho AA, Antonio MARGM, Giglio JS. A não percepção da obesidade pode ser um obstáculo no papel das mães de cuidar de seus filhos. Cien Saude Colet 2013; 18(2):323-333.

Alves NI, Pereira AA, Campos DES, Portes LA, Kutz NA, Salgueiro MMHAO. Estado nutricional de crianças em creches de Carapicuíba–SP comparado ao de seus pais. Rev Eletron Comun Inf Inov Saúde 2018; 12(3):310-322.

Ferreira HS, Vieira EDF, Cabral Junior CR, Queiroz MDR. Aleitamento materno por trinta ou mais dias é fator de proteção contra sobrepeso em pré-escolares da região semiárida de Alagoas. Rev Assoc Med Bras 2010; 56(1): 74-80.

Oliveira MF, Fanaro GB. Aleitamento materno na prevenção de sobrepeso, obesidade infantil e alergias. Rev Bras Nutr Clin 2015; 30(4):328-337.

Lourenço ASN, Neria DA, Konstantynera T, Palma D, Oliveira FLC. Fatores associados ao ganho de peso rápido em pré-escolares frequentadores de creches públicas. Rev Paul Pediatr 2018; 36(3):292‑300.

Nascimento VG, Silva JPC, Ferreira PC, Bertoli CJ, Leone C. Aleitamento materno, introdução precoce de leite não materno e excesso de peso na idade pré-escolar. Rev Paul Pediatr 2016; 34(4):454-459.

Lopes WC, Pinho L, Caldeira AP, Lessa AC. Consumo de alimentos ultraprocessados por crianças menores de 24 meses de idade e fatores associados. Rev Paul Pediatr 2020; 38:e2018277.

Militz GT, Santos LD, Roth MA. Nível de atividade física, alimentação e tempo de tela de crianças com obesidade. In: 13 Congreso Argentino de Educación Física y Ciencias; 2019; La Plata, Argentina. p. 1-14.

Carvalho ARM, Belém MO, Oda JY. Sobrepeso e obesidade em alunos de 6-10 anos de escola estadual de Umuarama/PR. Arq. Cienc. Saúde UNIPAR 2017; 21(1):3-12.

Mello ADM, Marcon SS, Hulsmeyer APCR, Cattai GBP, Ayres CSLS, Santana RG. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças de seis a dez anos de escolas municipais de área urbana. Rev Paul Pediatr 2010; 28(1):48-54.

Costa MB, Silva JHA, Simões ACSR, Alves MJM. Obesidade infantil: características em uma população atendida pelo programa de saúde da família. Rev APS 2011; 14(3):283-288.

Silva EM, Silva R, França CN. Associação entre sedentarismo e excesso de peso em escolares da periferia de São Paulo. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento 2019; 13(77):p73-78.

Rivera IR, Silva MAM, Silva RDATA, Oliveira BAV, Carvalho ACC. Atividade física, horas de assistência à TV e composição corporal em crianças e adolescentes. Arq Bras Cardiol 2010; 95(2):159-165.

Santos AQS, Sousa AQ, Lirani LS, Ramos RA. Efeito de jogos de raciocínio lógico sobre o sedentarismo em crianças de 7 a 9 anos no combate à obesidade. Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde da UNIARP 2019; 9(2): 131-147.

Guerra PH, Ribeiro EHC, Leme ACB, Mota J, Júnior JCF, Florindo AA. Sedentary behavior and body composition in children of low-and mid-income countries: a review. Rev Bras Ativ Fis Saude 2018; 23:e0002.

Miranda JMQ, Palmeira MV, Polito LFT, Brandão MRF, Bocalini DS, Figueira Junior AJ, Ponciano K, Wichi RB. Prevalência de sobrepeso e obesidade infantil em instituições de ensino: públicas vs. privadas. Rev Bras Med Esporte 2015; 21(2):104-107.

Barbosa Filho VC, Campos W, Fagundes RR, Lopes AS, Souza EA. Presença isolada e combinada de indicadores antropométricos elevados em crianças: prevalência e fatores sociodemográficos associados. Cien Saude Colet 2016; 21(1):213-224.

Feltrin GB, Vasconcelo FAG, Costa LCF, Corso ACT. Prevalência e fatores associados à obesidade central em escolares de Santa Catarina. Rev. Nutr. 2015; 28(1):43-54.

Müller RM, Facchini ET, Augusto L, Piccini RX, Silveira DS,

Siqueira FV, Thumé E, Silva SM, Dilélio AS. Excesso de peso e fatores associados em menores de cinco anos em populações urbanas no Brasil. Rev Bras Epidemiol 2014; 285-296.

Silva, DAS, Nunes HEG. Prevalência de baixo peso, sobrepeso e obesidade em crianças pobres do Mato Grosso do Sul. Rev Bras Epidemiol 2015; 18(2):466-475.

Bazán MJA, Soto MCS, Sellán AV, Martínez MLD, Fernández SD. Factors associated with overweight and childhood obesity in Spain according to the latest national health survey (2011). Esc Anna Nery 2018; 22(2):e20170321.

Ordem AB, Lamarque MS, Apezteguía MC. Trend in childhood obesity reflects socioeconomic status in Argentina. Annals of Human Biology 2019; 46(7-8):531-536.

Williams AS, Ge B, Petroski G, Kruse RL, McElroy JA, Koopman RJ. Socioeconomic status and other factors associated with childhood obesity. JABFM 2018; 31(4): 514-521.

Gibbs BG, Forste R. Socioeconomic status, infant feeding practices and early childhood obesity. Pediatric obesity 2013; 9(2):135-146.

Filgueiras AR, Sawaya AL. Intervenção multidisciplinar e motivacional para tratamento de adolescentes obesos brasileiros de baixa renda: estudo piloto. Rev Paul Pediatr 2018; 36(2):186-191.

Mariz LS, Medeiros CCM, Enders BC, Vieira CENK, Medeiros KKAS, Coura AS. Risk factors associated with treatment abandonment by overweight or obese children and adolescents. Invest Educ Enferm 2016; 34(2): 378-386.

Moura NL. Influência da mídia no comportamento alimentar de crianças e adolescentes. Segurança Alimentar e Nutricional 2010; 17(1): 113-122.

Mattos MC, Nascimento PCBD, Almeida SS, Costa TMB. Influência de propagandas de alimentos nas escolhas alimentares de crianças e adolescentes. Psicologia: Teoria e Prática 2010; 12(3):34‑51.

Norman J, Kelly B, McMahon AT, Boyland E, Baur LA, Chapman K, King L, Hughes C, Bauman A. Sustained impact of energy-dense TV and online food advertising on children’s dietary intake: a within-subject, randomised, crossover, counter-balanced trial. Int J Behav Nutr Phys Act 2018; 15(37): 1-11.

Neto ARV, Melo LGNF. Fatores de influência no comportamento de compra de alimentos por crianças. Saúde Soc 2013; 22(2):441-455.

Rodrigues VM, Fiates GMR. Hábitos alimentares e comportamento de consumo infantil: influência da renda familiar e do hábito de assistir à televisão. Rev Nutr 2012; 25(3):353-362.

Moura TB, Viana FT, Loyola VD. Uma análise de concepções sobre a criança e a inserção da infância no consumismo. Psicologia: Ciência e Profissão 2010; 33(2):474-489.

Henriques P, Sally EO, Burlandy L, Beiler RM. Regulamentação da propaganda de alimentos infantis como estratégia para a promoção da saúde. Cien Saude Colet 2012; 17(2):481-490.

Hartung PAD, Karageorgiadis EK. A regulação da publicidade de alimentos e bebidas não alcoólicas para crianças no Brasil. R. Dir. Sanit. 2017; 17(3):160-184.




DOI: http://dx.doi.org/10.19095/rec.v8i2.927

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXAÇÃO

  • LATINDEX: Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico): é uma plataforma para agregação de conteúdo científico e acadêmico em formato eletrônico produzido no contexto ibero-americano, relacionado a ele em um sentido cultural e social mais amplo e geograficamente não restritivo.
  • GOOGLE SCHOLAR: é uma ferramenta de pesquisa do Google que permite pesquisar em trabalhos acadêmicos, literatura escolar, jornais de universidades e artigos variados.
  • SUMÁRIOS:  Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org) é uma base indexadora de periódicos científicos brasileiros que busca ampliar a divulgação e o acesso aos periódicos científicos nacionais.